sábado, novembro 28, 2020

Obesidade e Covid-19: uma espiral descendente

A obesidade é uma doença crônica que afeta um número elevado de pessoas no mundo todo. É caracterizada pelo acúmulo de gordura corporal e pode acarretar graves problemas de saúde – e levar à morte inclusive. Segundo dados do IBGE, o Brasil tem cerca de 27 milhões de pessoas consideradas obesas. Somando a essas as que estão acima do peso, o total chega a quase 75 milhões. Em uma população de 210 milhões de habitantes, 75 milhões de acometidos de obesidade significam um problema de saúde pública.

Obesidade é fator de risco para uma série de doenças: o obeso tem mais propensão a desenvolver hipertensão, problemas cardiovasculares, diabetes tipo 2 e problemas físicos como artrose, pedra na vesícula, artrite, cansaço, refluxo esofágico, tumores de intestino e de vesícula – e a lista não para aí.
A prevenção contra a obesidade passa pela conscientização sobre a importância da atividade física e da alimentação adequada. Vida sedentária, refeições com poucos vegetais e frutas, excesso de alimentos ricos em gordura e açúcar – tudo isso faz crescer o número pessoas obesas, em todas as faixas etárias – até as crianças.

Dadas as taxas extremamente altas de obesidade em todo o mundo, uma alta porcentagem da população que contrairá coronavírus deverá coincidir com a de pessoas que têm IMC acima de 25. Além disso, pessoas com obesidade que ficam doentes e requerem cuidados intensivos apresentam desafios no tratamento do paciente. Afinal, é mais difícil entubar pacientes com obesidade; pode ser mais difícil obter diagnóstico por imagem (pois há limites de peso nas máquinas de imagem); são pacientes mais difíceis de posicionar e transportar pela equipe de enfermagem; e são considerados de acompanhamento mais difícil em unidades de terapia intensiva.

A obesidade ganha progressivamente mais destaque à medida em que a Covid-19 avança no mundo ocidental. Para se ter uma ideia, dados do NHS (o serviço de saúde inglês) mostram que mais de 70% dos que estão nas UTIs por Covid-19 têm excesso de peso; desses, quase 40% tem menos de 60 anos.

Nestes meses de pandemia, o sedentarismo trouxe consequências claras quanto ao ganho de peso, não só pela diminuição da atividade física como pelos novos e velhos hábitos alimentares, que se instalaram e romperam rigor e regularidade das dietas. Isso significa dizer que a obesidade piora o prognóstico da Covid-19 no plano individual e a Covid-19 piora a obesidade no plano da saúde populacional.

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Dário Saadi e Rafa Zimbaldi participam do último debate na TV antes do 2° turno; veja propostas

Candidatos do Republicanos e do PL à Prefeitura de Campinas (SP) discutiram pontos do programa de governo...

TSE: eleitor deve baixar aplicativo para justificativa até este sábado

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) relembrou nesta sexta-feira, 27, que o eleitor deverá baixar o aplicativo e-Título até as 23h59 deste sábado (28) para...

Carga de cigarros contrabandeados avaliada em R$ 1 milhão é apreendida em Indaiatuba

Produtos estavam na zona rural da cidade na tarde desta sexta (27). Três pessoas foram conduzidas à Delegacia...

Campinas abre CS Centro neste sábado para vacinação contra a pólio

Unidade funcionará das 8h às 16h30 para atender quem ainda não se vacinou. CSs São Domingos e Paranapanema...

VÍDEOS: EPTV 2 região de Campinas desta sexta-feira, 27 de novembro

Veja reportagens das áreas de Campinas (SP) e de Piracicaba (SP). Veja reportagens das áreas de Campinas (SP)...
- Advertisement -