quarta-feira, dezembro 2, 2020

As verdadeiras propriedades medicinais da canela e do coentro

Atualmente, no mundo da pandemia e das fake news, recebemos muitas e incontáveis mensagens digitais sobre alimentação e saúde. Nesse contexto, dois alimentos precisam ser colocados dentro da verdade científica. A canela e o coentro estão sendo inseridos, em um ritmo alucinante, no rol dos “milagrosos”, alimentos que servem para retardar o envelhecimento, reduzir glicemia e nível de colesterol e baixar a pressão arterial.

Nesse sentido, vamos a verdade dos fatos.

A canela é uma das especiarias mais antigas do mundo, há muito conhecida por nossos antepassados em razão de suas propriedades medicinais e efeitos benéficos para a saúde. O termo “canela” deriva do grego e quer dizer madeira doce, o que denuncia de antemão seu sabor e aroma característicos, muito apreciados pela culinária de inúmeros países, especialmente na região da Europa e Oriente Médio.

Além de ser considerada uma fonte importante de compostos fenólicos com potente atividade antioxidante, a canela também tem sido evidenciada como uma possível aliada no tratamento da diabetes. Inúmeros estudos, tanto in vivo como in vitro, tem apontado que a canela poderia favorecer o controle glicêmico através da ação de algumas substâncias presentes em sua composição.

Uma delas é o chamado cinamaldeído, um componente que seria o responsável por aumentar a ação da insulina no organismo, e consequentemente, exercer efeito hipoglicemiante. Embora o cinamaldeído seja o principal estudado nesse contexto, outros compostos também têm demonstrado efeito positivo no controle de parâmetros glicêmicos e por isso, não se sabe ao certo qual ou quais destes elementos estariam de fato envolvidos nos desfechos observados.

Continua após a publicidade

Em VEJA desta semana: os riscos dos gigantes de tecnologia para a saúde mental e a democracia. E mais: Michelle Bolsonaro vai ao ataqueVEJA/VEJA

Ainda nesse sentido, apesar da literatura emergente sobre os benefícios da canela na Diabetes, os resultados são conflitantes e não existem estudos suficientes que sejam capazes de elucidar os mecanismos e impactos reais da sua utilização na prática clínica.

De todo o modo, o uso da canela pode ser compreendido dentro de um estilo de vida saudável de maneira geral, somado a um hábito alimentar adequado e prática de atividade física regular, condutas que realmente estão associadas de maneira concreta à prevenção e tratamento complementar da diabetes.

O coentro (Coriandrum sativum L.) é certamente um dos temperos mais utilizados pelos brasileiros, principalmente na região do Nordeste, local em que é considerado um ingrediente quase que indispensável na cozinha do dia-a-dia. No entanto, não é uma planta típica do Brasil, existem relatos de sua utilização na culinária romana e africana da região do mediterrâneo.

Dentre suas propriedades terapêuticas exploradas na antiguidade, destacam-se o efeito antifúngico, antimicrobiano e analgésico. Alguns experimentos atuais têm evidenciado seu papel como um possível agente hipolipemiante, atuando também como antioxidante no combate aos radicais livres. Apesar disso, os estudos sobre o tema são insuficientes para elucidar o real mecanismo e efeito desse vegetal no organismo, o que impossibilita sua aplicação na prática clínica. Além do mais, geralmente os benefícios só são apontados quando utilizados na forma de extrato ou concentrados.

Na gastronomia, o coentro confere frescor e toque especial às preparações, sendo usado para temperar uma ampla variedade de receitas, desde peixes à carne vermelha, até sopas e saladas. Mas, quando falamos de coentro, o assunto divide opiniões. Embora seu sabor seja de agrado de grande parte dos brasileiros, uma parcela significativa de pessoas tende a detestar o gosto do coentro.

A preferência ou aversão pelo coentro tem uma explicação científica. Conforme uma análise conduzida pelo pesquisador Nicholas Eriksson, existe um componente genético que pode determinar a percepção do gosto de sabão no coentro. Aparentemente, a antipatia pela especiaria pode ser resultado de variantes genéticas nos receptores olfatórios, fazendo com que haja hipersensibilidade a uma substância chamada aldeído.

<span class="hidden">–</span>Ricardo Matsukawa/VEJA.com
Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Finalista do 'Nobel da Educação', professora de Campinas diz que 'dividir o mesmo espaço físico não denomina inclusão'

Doani Emanuela Bertan atua no ensino bilíngue em libras e português e foi...

HC da Unicamp suspende internações e cirurgias eletivas com alta nos casos de Covid-19

Documento enviado aos professores, médicos, residentes e colaboradores informa que a adoção da medida ocorre até 9 de...

Trabalhador é resgatado por bombeiros após cair dentro de caixa d'água vazia em Holambra

Homem de 42 anos foi socorrido ao Hospital de Jaguariúna. Suspeita é que ele tenha se intoxicado com...

VÍDEOS: EPTV 2 região de Campinas desta quarta-feira, 2 de dezembro

Assista aos vídeos das reportagens. Assista aos vídeos das reportagens.

Deputado quer fim de benefícios para empresas que discriminem empregados

Um projeto de autoria do deputado federal Eduardo Bismarck (PDT/CE) quer banir a concessão de benefícios tributários a empresas que discriminarem funcionários. Segundo a proposta,...
- Advertisement -