terça-feira, dezembro 1, 2020

Ideia de que o futuro será melhor não se sustenta mais, diz Bernardo Sorj

O futuro sempre esteve associado a uma ideia de progresso, na qual, por exemplo, o filho de pais analfabetos poderia chegar à universidade. O conceito de que o amanhã pressupõe melhoria constante em relação ao presente, contudo, está em colapso, de acordo com o sociólogo Bernardo Sorj.

Em entrevista ao UM BRASIL, uma realização da FecomercioSP, Sorj avalia que “o mundo está ficando cada vez mais difícil” por enfrentar, na atualidade, “diversas crises simultaneamente”, cujas consequências são as sensações de “incerteza, temores e desordem”.

Ele destaca a desigualdade social, a incapacidade de representação social da política e a invasão da privacidade por meio das novas tecnologias não só como flagelos do florescimento de um futuro melhor, mas também da democracia.

“O futuro, como progresso, é uma invenção quase contemporânea e que prometia às pessoas, no lugar da salvação do pós-morte, uma vida melhor neste mundo, uma melhoria constante. Mas, por causa, em particular, de políticas que levaram a mais desigualdade social e a transformações tecnológicas que diminuíram a oferta de empregos de qualidade, a ideia de que o futuro vai ser melhor não se confirma mais”, frisa.

De acordo com Sorj, esta situação, em vez de impulsionar políticas que melhorem as condições de vida, viabiliza ataques à democracia. “Todo este conjunto de fenômenos gera frustração e indignação, que legitimam e são aproveitados por políticos demagogos, que, em vez de enfrentar os problemas reais, utilizam este mal-estar da população e, num discurso messiânico salvacionista, canalizam a raiva contra os inimigos – a maior parte, imaginários”, afirma.

O sociólogo indica que é preciso reinventar um futuro de progresso para evitar o colapso desta ideia. E isso, segundo ele, exige equilibrar o conflito entre as lógicas democrática e capitalista.

“Existiu, até hoje, um regime democrático não capitalista? Não. Vai existir? Eu não sei. Alguém poderá elaborar uma proposta nesta direção? É possível”, reflete. “[Contudo] a lógica capitalista e a lógica democrática não são similares. Funcionam com princípios diferentes. Eu diria, em termos muito simplistas, [que] o capitalismo tende a produzir desigualdades e valoriza o indivíduo, e a democracia procura mais igualdade e mecanismos de solidariedade”, explica.

“Não há nada de errado com a ideia de conflito entre capitalismo e democracia. O problema é como você organiza esse conflito”, conclui.

The post Ideia de que o futuro será melhor não se sustenta mais, diz Bernardo Sorj appeared first on InfoMoney.

Ultimas Notícias

Desmatamento da Amazônia sobe 9,5% e atinge 11 mil km²

O desmatamento na Amazônia foi de 11.088 quilômetros quadrados (km²) entre agosto de 2019 e julho de 2020, divulgou...

Resgate de cão em bueiro mobiliza Guarda e Corpo de Bombeiros em Campinas

Animal foi retirado por uma guarda que é veterinária e levado a um abrigo, onde irá ficar em...

Chifre de touro perfura perna de professor veterinário em faculdade de Americana, SP

Homem de 50 anos foi encaminhado ao PS do Hospital São Lucas e não corre risco, segundo Corpo...

Polícia descobre desmanche de veículos e detém grupo em Campinas

Caso foi nesta segunda e peças foram achadas em imóvel no Parque Fazenda Santa Cândida. Desmanche fechado pela...

Novo prefeito terá ao menos 12 vereadores na base e espera oposição ‘aguerrida’ em Campinas

Dário Saadi deu entrevista ao G1 e EPTV e também abordou a relação que pretende estabelecer com os...
- Advertisement -