quarta-feira, dezembro 2, 2020

Atraso na vacina de Oxford força governo a adotar a chinesa Coronavac

O anúncio de que o governo Bolsonaro fechou um acordo para comprar 46 milhões de doses, ao custo de 1,9 bilhão de reais, da vacina chinesa Coronavac tem como motivação o atraso na produção do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford, Fiocruz e AstraZeneca. A vacina de Oxford, como é chamada, não deve ficar pronta este ano, segundo fontes disseram ao Radar Econômico. A suspensão dos testes em setembro e a dificuldade para retomar os experimentos nos Estados Unidos atrasaram o cronograma da AstraZeneca em 2 meses. Inicialmente, estava prevista para novembro ou dezembro o pedido para liberação emergencial da vacina. Isso deverá ser feito entre janeiro e fevereiro do próximo ano.

O atraso pressionou o governo federal, uma vez que o governador de São Paulo, João Doria, bradou o sucesso dos testes da Coronavac e o início da administração das doses no fim do próximo mês. Sem outra alternativa — uma vez que um acordo com a Pfizer não caminhou (a falta de transferência de tecnologia e o pequeno número de doses travaram o negócio) —, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, viu-se “obrigado” a fazer o acordo com o laboratório chinês Sinovac e com o Instituto Butantã, responsáveis pelo desenvolvimento da vacina.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter

Ultimas Notícias

MPT-15 lança programa sobre inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho na região de Campinas

Lançamento do Reconecta ocorre nesta quinta (3) e sexta-feira (4), de forma virtual,...

Fenômeno raro é flagrado em coruja-buraqueira no RJ

O estudante de biologia João Pedro Salgado registrou a espécie com um dos olhos pretos; outros registros especiais,...

Redução do auxílio piora renda e mais pessoas caem na pobreza ou miséria

Cálculos do economista Daniel Duque, pesquisador da área de Economia Aplicada do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), mostram o peso...

Com fim do auxílio, desigualdade pode voltar aos anos 80

O fim do auxílio emergencial pode levar a desigualdade no país de volta ao patamar dos anos 1980. O índice de pobreza, situação de...

Covid-19: volume de vacinas ainda é insuficiente para atender o Brasil

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou hoje (2) que, apesar de haver competição para a produção e venda de vacinas contra a covid-19...
- Advertisement -