sexta-feira, novembro 27, 2020

Os negócios entre Queiroz e Adriano: de pagamento de cirurgia a pensão

Era antiga e umbilical a relação entre o policial militar aposentado Fabrício Queiroz, faz-tudo da família Bolsonaro, e o ex-capitão Adriano Magalhães da Nóbrega, acusado pelo Ministério Público (MP) de chefiar um grupo de extermínio que trabalhava para uma das mais temidas milícias do Rio de Janeiro. Os dois serviram juntos na Polícia Militar, onde foram parceiros em rondas que resultaram na morte suspeita de um civil. Em diferentes eleições, eles também pediram votos para Jair Bolsonaro e seus filhos a colegas das forças de segurança e em áreas controladas por milicianos, como Rio das Pedras, na Zona Oeste da capital fluminense. A parceria aproximou suas famílias e, de quebra, desdobrou-se para a área financeira. Pelas mãos de Queiroz, a mãe e a ex-mulher de Adriano foram contratadas para trabalhar no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro e, segundo o MP, devolveram parte dos salários que recebiam. Sob o guarda-chuva desse contrato principal, firmado no âmbito do esquema da rachadinha, Adriano e Queiroz realizaram outras transações financeiras.

NO CRIME – Adriano: fortuna estimada em 10 milhões de reais –//Reprodução

Uma delas ajuda a esclarecer parte de um antigo mistério: de onde saiu o dinheiro vivo usado por Queiroz a fim de pagar a sua cirurgia no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, para a retirada de um câncer no cólon. O custo total da operação foi de quase 135 000 reais, quitados em espécie. Apesar de sua movimentação bancária milionária descoberta pelo Coaf, o órgão de inteligência financeira do governo federal, Queiroz sempre viveu de forma modesta. Diante da necessidade de arcar com uma despesa médica de tal monta, sua mulher, Márcia de Aguiar, ligou para Adriano — que na época ainda não havia sido denunciado pelo MP — e pediu ajuda. O ex-capitão concordou em dar 80 000 reais ao amigo e mandou um de seus funcionários levar o dinheiro do Rio para São Paulo. A familiares, Adriano disse que ajudou Queiroz porque eles eram amigos de longa data.

Queiroz ficou internado no Albert Einstein entre 30 de dezembro de 2018 e 8 de janeiro de 2019. Naquele período de virada de ano, três de seus filhos se hospedaram num imóvel de Adriano no Rio, recebendo os cuidados e a proteção de pessoas ligadas ao ex-capitão. A reciprocidade era uma tônica na relação entre as famílias. Raimunda Veras, a mãe de Adriano, trabalhou no gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio entre 2016 e 2018, quando recebeu 252 699 reais em salários e sacou 94,67%. O porcentual abocanhado se repetiu no caso de outros servidores e indica uma espécie de meta de arrecadação. Em depoimento ao MP em setembro passado, Luiza Sousa Paes admitiu que era funcionária-fantasma e também devolvia mais de 90% do salário, em razão de um acerto com Queiroz. Ela foi a primeira servidora a reconhecer a existência da rachadinha. Seu testemunho, revelado pelo jornal O Globo, foi usado pelos promotores para denunciar Flávio Bolsonaro, Queiroz, as parentes de Adriano e mais uma dezena de pessoas por crimes como peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

PRIVILEGIADA – Danielle, ex-mulher de Adriano: pensão via gabinete do Zero Um –//Reprodução

Diferentemente de Raimunda e Luiza, Danielle da Nóbrega, ex-mulher de Adriano, vivia sob outras regras. Durante seu período no gabinete de Flávio na assembleia, ela recebeu 776 343 reais em salários e devolveu 21,38% do valor. A mordida era menor devido a uma ação entre amigos. Adriano queria que Danielle tivesse uma ocupação formal e uma fonte de renda lícita. Para que os desembolsos dela não ficassem abaixo do cobrado de outros funcionários, ele propôs repassar a diferença a Queiroz, em dinheiro vivo, com recursos próprios. Uma reportagem de VEJA publicada no mês passado mostrou que Adriano fez uma fortuna de pelo menos 10 milhões de reais depois de trocar a PM, corporação da qual foi expulso, pelo submundo do crime. Seu faturamento mensal variava de 250 000 reais a 350 000 reais com a exploração de atividades como jogos ilegais, grilagem de terras e venda e aluguel de apartamentos construídos irregularmente. Mesmo quando se separou de Danielle, Adriano manteve o acordo com Queiroz. Os dois tratavam o emprego dela como uma espécie de pensão. Na prática, uma coisa substituía a outra.

Quando foi demitida, em 2018, Danielle pediu socorro ao ex-marido, lembrando que tinha contas a pagar. “Contava com o que vinha do seu tbm (sic)”, respondeu Adriano por mensagem. Num primeiro momento, Danielle seguiu as recomendações de Queiroz sobre como proceder em relação ao avanço das investigações. A ordem era ficar em silêncio. Com o tempo, afastou-se de Queiroz e Adriano e se recusou a receber novas orientações. Numa conversa, ela chegou a dizer que se arrependia de ter deixado aquele dinheiro sujo entrar em sua vida. Desde o início da apuração do caso, houve um esforço para impedir que os personagens do enredo dessem explicações ao MP. A prova mais clara disso foi o fato de Frederick Wassef, à época advogado da família Bolsonaro, ter escondido Queiroz em um imóvel de sua propriedade no interior de São Paulo. Foi lá que o operador da rachadinha acabou preso, em junho passado. Essa estratégia de tirar a turma de circulação disseminou em alguns investigados a suspeita de que o objetivo principal era livrar Flávio Bolsonaro das garras da Justiça, mas não necessariamente seus antigos subordinados.

NA CAMPANHA - Witzel: apoio financeiro de Adriano para a eleição em 2018 –//Reprodução

Esposa de Fabrício Queiroz, Márcia de Aguiar, por exemplo, externou a diferentes pessoas o medo de que a sua família fosse condenada e pagasse sozinha pelo conjunto da obra. Ao pedir a prisão preventiva de Márcia e de Queiroz, o MP alegou que eles traçaram um plano para fugir com a ajuda de Adriano. Tal plano teria sido arquitetado numa reunião realizada no interior de Minas Gerais, em dezembro de 2019, da qual participaram a própria Márcia, Raimunda Veras e Luis Botto Maia, advogado de Flávio Bolsonaro. VEJA apurou que os participantes do encontro ligaram para Adriano, recorrendo a um número de celular que ele, já foragido, reservava apenas para falar com a família. Durante a chamada, perguntaram ao ex-capitão quem recolhia o dinheiro da contravenção em nome do governador do Rio, Wilson Witzel. A consulta fazia sentido, já que Adriano dizia ter colaborado financeiramente com a campanha do governador, que hoje está afastado do cargo e é desafeto da família Bolsonaro, mas ganhou a eleição em 2018 tendo como principal cabo eleitoral o filho Zero Um do presidente. Quando da reunião em Minas, Wassef já havia convencido Jair Bolsonaro, sua prole e Queiroz de que Witzel estava usando seus contatos no MP e na Justiça fluminense para atingi-­los, de olho na sucessão de 2022.

Botto Maia, Márcia e Raimunda Veras queriam saber quem recolhia a propina para chantagear o governador e tentar persuadi-lo a segurar a investigação da rachadinha. “O Queiroz é um idiota e faz tudo o que a família manda”, reclamou Márcia no encontro em Minas. Adriano se recusou a dar a informação pedida. Dois meses depois, ele foi morto numa operação policial no município de Espla­na­da, na Bahia. As circunstâncias da morte ainda não foram esclarecidas. Seus segredos sobre a rachadinha e as relações promíscuas de altas autoridades com o crime organizado também permanecem obscuros.

Publicado em VEJA de 18 de novembro de 2020, edição nº 2713

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Vendas no e-commerce subiram 41% nos sete dias anteriores à Black Friday, na comparação anual

SÃO PAULO – As vendas no e-commerce nos sete dias anteriores à Black Friday tiveram alta de 41% em...

Taxa de desemprego no Brasil atinge recorde de 14,6% no terceiro trimestre, diz IBGE

SÃO PAULO – O desemprego no Brasil subiu para uma taxa recorde de 14,6% no terceiro trimestre de 2020, encerrado em setembro. Os dados...

IGP-M sobe 3,28% em novembro ante alta de 3,23% em outubro, diz FGV

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) subiu 3,28% em novembro, informou nesta sexta-feira, 27, a Fundação Getulio Vargas (FGV).A inflação medida pelo...

Trump diz que deixará Casa Branca se perder no colégio eleitoral

WASHINGTON, 27 NOV (ANSA) – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse aos jornalistas, pela primeira vez, que deixará a Casa Branca se...

Perdido, Witzel envia mensagem a amigos: ‘não se esqueçam de mim’

Wilson Witzel não entendeu a profundidade do buraco onde caiu. Em mensagem a amigos, como se fosse candidato de sabe-se lá a quê, ele...
- Advertisement -