segunda-feira, janeiro 25, 2021

Covas lidera 2º turno em São Paulo, com 48%; Boulos tem 32%, diz XP/Ipespe



SÃO PAULO – A 11 dias do segundo turno, o candidato à reeleição Bruno Covas (PSDB) mantém a dianteira na disputa pela prefeitura de São Paulo. Segundo a oitava edição da pesquisa XP/Ipespe, divulgada nesta quarta-feira (18), o tucano soma 48% das intenções de voto totais contra 32% de Guilherme Boulos (PSOL) no cenário estimulado – quando os nomes dos candidatos são apresentados aos entrevistados.

Outros 15% dos entrevistados não apontaram nenhum dos candidatos ou manifestaram intenção de votar em branco ou anular o voto, enquanto 5% não quiseram ou não souberam responder.

Considerando apenas os votos válidos, Covas lidera a disputa com 60% das intenções de voto contra 40% de seu adversário. O resultado mostra um estreitamento da diferença entre os candidatos. Na última pesquisa feita antes do primeiro turno, o atual prefeito contava com 70% das intenções de votos válidas, contra 30% do líder dos sem-teto.

No recorte por faixa etária, o tucano somente é derrotado entre os mais jovens (16 a 24 anos): 44% a 32% a favor de Boulos. Este grupo representa cerca de 11% do eleitorado da cidade. A vantagem de Covas, por outro lado, é maior entre os idosos, grupo que corresponde a 23% dos eleitores: 61% a 21%.

Já em termos de escolaridade e renda, Covas aparece numericamente à frente em todos os recortes. O placar é mais apertado entre aqueles com ensino superior (32% dos eleitores) e renda superior a 5 salários mínimos (20% dos eleitores): 53% a 47% no primeiro caso (o que configura situação de empate técnico) e 56% a 44% no segundo.

O levantamento foi feito entre os dias 16 e 17 de novembro, contou com 800 entrevistas realizadas por telefone e está registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o código SP-06628/2020. A margem máxima de erro é de 3,5 pontos percentuais para cima ou para baixo.

Segundo a pesquisa, 79% dos entrevistados disseram que a decisão de voto no segundo turno é definitiva, contra 19% que podem mudar até o dia da eleição – fator que pode dificultar o trabalho de Boulos na tentativa de encurtar a distância em pouco mais de uma semana. Os eleitores com mais chances de mudar de voto têm idade entre 16 e 44 anos, ensino fundamental e renda familiar de até 2 salários mínimos.

No cenário espontâneo – em que os nomes dos candidatos não são apresentados pelos entrevistadores –, Covas tem 39% das intenções de voto, contra 29% de Boulos. Brancos, nulos e indecisos somam 32%. Considerando apenas as intenções de votos válidas, o placar fica 57% a 43% a favor do tucano.

A pesquisa também mostra que a rejeição de Boulos é maior do que a de Covas: são 42% os que dizem que não votariam no candidato do PSOL de jeito nenhum, contra 35% que não dariam seu voto ao tucano em hipótese alguma. Em relação ao último levantamento, os dois apresentaram melhor desempenho. A resistência a Boulos caiu 10 pontos percentuais, ao passo que a objeção ao tucano recuou 3 p.p..

Ao todo, 38% dos entrevistados dizem que votariam com certeza em Bruno Covas e 23% afirmam que poderiam seguir o mesmo caminho. Já Boulos conta com 29% de apoiadores enfáticos e 12% que dizem que poderiam votar nele. Entre os eleitores convictos, o tucano cresceu 9 p.p. ante o último levantamento, ao passo que seu adversário saltou 13 p.p..

O cruzamento dos dados da pesquisa mostra que Bruno Covas é o principal herdeiro dos votos de Márcio França (recebe 47% dos eleitores do primeiro turno, contra 31% recebidos por Boulos), de Celso Russomanno (45% a 6%) e de Arthur do Val Mamãe Falei (68% a 5%).

Ontem (17), o tucano recebeu o apoio público de Russomanno, mas sua campanha deve trabalhar para manter distância do bolsonarismo e colar no rival a imagem de “radical”. Outro a apoiar o atual prefeito foi Andrea Matarazzo (PSD) – o endosso, no entanto, é pessoal. O partido do ex-prefeito Gilberto Kassab segue sem decisão.

Já Boulos recebe apoio majoritário apenas dos eleitoes de Jilmar Tatto (72% a 20% de Covas). O candidato do PSOL recebeu apoio oficial do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Antes, já havia tido o endosso de PC do B e PDT. Agora, ele tenta aproveitar o capital que os petistas têm em zonas eleitorais da periferia.

A pesquisa XP/Ipespe mostra que, entre os entrevistados que admitiram não ter ido votar no primeiro turno, 43% declaram voto em Covas no segundo e 18%, em Boulos.

De acordo com o levantamento, pela primeira vez, estabilidade na avaliação positiva da prefeitura de São Paulo, interrompendo tendência de alta observada desde o início da campanha. Hoje, são 37% os que consideram a administração ótima ou boa, contra 38% na semana passada. Os que a veem como ruim ou péssima também oscilaram um ponto para baixo, de 22% para 21%.

Receba o Barômetro do Poder e tenha acesso exclusivo às expectativas dos principais analistas de risco político do país

Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

The post Covas lidera 2º turno em São Paulo, com 48%; Boulos tem 32%, diz XP/Ipespe appeared first on InfoMoney.

Ultimas Notícias

UE pede explicações a AstraZeneca sobre corte em suprimento de vacina contra Covid-19

BRUXELAS – A União Europeia se reunirá com executivos da AstraZeneca AZN.L nesta segunda-feira para pedir mais esclarecimentos sobre...

Venda de ações leva polêmica ao BNDES

https://youtube.com/watch?v=CYPDXRNQyP4&version=3&rel=1&showsearch=0&showinfo=1&iv_load_policy=1&fs=1&hl=pt-BR&autohide=2&wmode=transparent Prestes a assumir uma cadeira no Conselho de Administração do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Arthur Koblitz, colocou em xeque a...

Marinho diz esperar “sensibilidade” para definição sobre novo auxílio emergencial

Diante da crescente pressão por uma nova rodada de auxílio emergencial para ajudar os mais vulneráveis à crise da covid-19, o ministro do Desenvolvimento...

Para vacinar rapidamente é preciso despolitizar imediatamente

Assistimos hoje no mundo ao que se pode chamar de uma corrida entre infecções e injeções. Aliás, não uma, mas várias corridas – posto...

As respostas para as principais dúvidas sobre a vacinação contra Covid-19

A campanha de vacinação contra a Covid-19 começou no Brasil na última semana, após a aprovação de uso emergencial pela Agência Nacional de Vigilância...
- Advertisement -