sábado, janeiro 16, 2021

Campinas tem queda de 25,8% em internados com queimaduras por álcool no 2º quadrimestre da quarentena


Dados obtidos pelo G1 junto ao Centro de Tratamento de Queimados (CTQ) retratam realidade entre os meses de julho a outubro de 2020, com 23 registros. Primeiro quadrimestre da quarentena, de março a junho, teve 31. Total na pandemia foi de 54 internações, 45,9% a mais que em 2019. Uso de álcool 70% durante pandemia do coronavirus aumenta ocorrências de queimaduras
Reprodução/TV Gazeta
O Centro de Tratamento de Queimados (CTQ) de Campinas (SP) registrou queda de 25,8% no número de internações de pessoas que sofreram queimaduras por causa do uso de álcool. O dado se refere ao segundo quadrimestre da quarentena para conter o avanço da Covid-19. De março a outubro, no entanto, essas internações aumentaram 45,9% em relação ao mesmo período de 2019.
Foram 23 registros de pacientes entre julho e outubro, contra 31 de março a junho. Ao longo dos oito meses de restrições, a conta foi de 54 internados com queimaduras graves, ante 37 no ano passado. Veja a evolução no gráfico abaixo:
O levantamento foi feito pelo CTQ a pedido do G1. Coordenador do Centro e médico cirurgião plástico, Flávio Nadruz Novaes afirma que os acidentes têm ocorrido mais quando o álcool – seja em gel ou líquido – é usado em churrasqueiras, tachos e de maneira geral na cozinha. Homens são a maioria das vítimas.
Em relação ao total de internações desde março no CTQ, foram 108 ocorrências, sendo 50% referentes a álcool. Em 2019, no mesmo período, 115 pessoas com queimaduras graves foram internadas, mas 32,1% tinham o álcool como causa. Veja os detalhes mês a mês no gráfico abaixo:
O segundo quadrimestre da quarentena foi marcado pelo início da flexibilização da pandemia, com reabertura de comércios, escolas e serviços em geral, reduzindo o número de pessoas em isolamento doméstico preventivo.
Independentemente disso, ao longo de toda a pandemia, se tornou rotina higienizar as compras do supermercado, por exemplo, com álcool. A substância ficou mais presente nas cozinhas.
“O álcool 70% é perigoso, é semelhante ao combustível. […] Em algumas situações, as pessoas improvisam álcool pra cozinhar no lugar do gás. O álcool tem uma chama praticamente invisível. Tivemos casos de pessoas que colocam álcool pra aquecer uma comida, às vezes reabastecem o recipiente e têm uma tragédia.”, disse o cirurgião plástico ao G1 em agosto.
O álcool líquido a 70% teve a fabricação e a venda autorizadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no início da pandemia, por ser uma das medidas de higiene necessárias para evitar o contágio pelo novo coronavírus,.
Álcool em gel e sabão são usados na prevenção à transmissão do novo coronavírus
Igor Jácome/G1
Centro de alta complexidade
O Centro de Tratamento de Queimaduras fica localizado no Hospital Irmandade de Misericórdia de Campinas e atendeu a 684 pacientes desde o início das atividades, em 8 de julho de 2016. São pessoas que sofreram queimaduras com álcool, líquidos quentes e produtos químicos da metrópole e mais 50 cidades do interior do estado.
O Centro, que é de alta complexidade, recebe pacientes de casos graves, sendo que 85% deles vêm encaminhados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). São 12 leitos, sendo dez do Sistema Único de Saúde (SUS) e dois para convênio médico. Em média, um paciente fica ao menos 30 dias ocupando as vagas, mas há casos de alta complexidade que chegam a levar 90 dias até a alta médica.
“A unidade também possui um trabalho formativo com alunos da graduação, residentes e várias atividades de ensino. Realiza ainda ações de prevenção em instituições de ensino e é um dos 12 unidades do Brasil a participarem do Serviço Nacional de Transplantes.”, informou a prefeitura.
Veja mais notícias da região no G1 Campinas

Ultimas Notícias

Oxford: Voo que buscaria 2 milhões de doses da vacina na Índia é cancelado

O voô brasileiro que iria buscar as 2 milhões de doses da vacina de Oxford, na Índia, foi cancelado....

Philco doa todo seu estoque de oxigênio para Manaus

A Philco anunciou nesta sexta-feira, 15, a doação de “100% de seu estoque atual de oxigênio” ao governo do Amazonas. O material é utilizado...

Manaus: ‘não cumprimento das restrições’ levou a situação atual, diz OMS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse nesta sexta-feira, 15, que a situação crítica em toda a América do Sul, incluindo Manaus, não deve...

Cidades do interior do Amazonas fazem apelo por oxigênio medicinal

A situação das cidades do interior do Amazonas está indo pelo mesmo caminho de Manaus — que sofre com a falta de oxigênio em...

Pacientes de Manaus enviados para Teresina estão em área isolada

Por conta do desabastecimento de oxigênio em Manaus, capital do Amazonas, fez se necessário transferir pacientes para outras regiões brasileiras. O primeiro grupo a...
- Advertisement -