quarta-feira, janeiro 27, 2021

Por dentro da sala-cofre onde são armazenadas as vacinas contra a Covid

17 de novembro, 13h42: Parece filme. Me aproximo de um aviso: “Área restrita equipe unblinded. Não entre”. No lugar da maçaneta, um teclado para que apenas os pesquisadores da vacina experimental digitem suas senhas. O médico digita um código. Não consigo ver da posição em que estou. Ele erra. A porta continua cerrada. Nova tentativa.

Pacientes, recrutadores de voluntários em pesquisas clínicas e curiosos em geral não são bem-vindos naquela sala. Só é permitida a entrada de pesquisadores que atuam diretamente nos estudos para a produção de imunizantes. Não se pode dar margem para que intrusos alterem o projeto de desenvolvimento da vacina. Excepcionalmente sou convidada a entrar.

Atrás da porta, uma sequência de geladeiras capazes de armazenar vacinas de dois graus negativos a 72 graus abaixo de zero. Geladeiras grandes, com portas transparentes, quase como aquelas de lanchonetes em que se exibem bebidas à venda, e pelo menos quatro menores, que se parecem com um microondas ou um mini freezer horizontal com visor digital. Na tela destas últimas, o registro de que os produtos lá dentro estão submetidos a uma temperatura de 72 graus negativos.

Passeio pela sala acompanhada de um médico. São dezenas de caixinhas brancas – 80 doses experimentais da vacina anti-Covid desenvolvidas pela farmacêutica Janssen-Cilag para aquela primeira bateria de testes – e ampolas e fármacos variados do que os pesquisadores chamam de “medicamentos investigacionais”. A clínica onde me inscrevi para ser voluntária também está desenvolvendo pesquisas para pacientes com diabetes, herpes zoster, colite ulcerativa e obesidade.

A segurança na estocagem dos fármacos é justificada porque medicamentos devem ficar armazenados em locais de acesso restrito. Nunca se sabe se um desvairado de um movimento anti-vacina vai tentar invadir o laboratório, localizado em um prédio comum do Rio de Janeiro, e destruir os produtos. A mesma precaução foi tomada pelo Instituto Butantan, em São Paulo, quando recebeu a matéria-prima para a produção da CoronaVac e não anunciou publicamente onde guardaria os insumos.

Uma das caixinhas brancas é reservada para mim. Ela está em uma geladeira que chega a até 8 graus negativos, mesmo patamar de um refrigerador comum, mas sem o visual de um eletrodoméstico de cozinha. Não importa como se parece: o fato de poder ser armazenada em temperaturas fáceis de serem conseguidas é um dos principais trunfos de algumas das vacinas que estão sendo desenvolvidas em todo o mundo para tentar conter a pandemia do novo coronavírus. Não consigo imaginar países como Brasil e Índia distribuindo facilmente vacinas estocadas a 70 graus abaixo de zero.

Independentemente da logística de distribuição dos imunizantes – o Ministério da Saúde diz estar finalizando este projeto e o Supremo Tribunal Federal (STF) deve determinar que o governo informe periodicamente à Justiça todas as medidas que serão tomadas para atender a população – é pouco provável que todos os brasileiros sejam vacinados. Por mais que diversos fármacos estejam sendo desenvolvidos contra a Covid-19 (Pfizer/BioNTech, Oxford/AstraZeneca, Moderna, Novavax, Janssen, Valneva, Sinovac, Sanofi/GSK e Sputnik V, por exemplo), a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que cada país deve avaliar a realidade local para definir o programa de imunização.

Por isso, no nosso caso, a ideia é que sejam priorizadas as pessoas mais expostas, como agentes de segurança e de saúde, idosos, pessoas no grupo de risco e portadores de doenças crônicas.

30 de novembro, 10h44: Não tenho qualquer sintoma e tampouco apresento efeitos adversos do fármaco que tomei na tarde de 17 de novembro. Oxigenação e temperaturas continuam normais. Sigo convencida de que tomei um placebo. Quando qualquer vacina for comercializada, eu não estarei no grupo prioritário para recebê-la.

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Sul e Sudeste intensificam vacinação e lideram o processo no Brasil

Os últimos dois dias foram quentes na corrida pela vacinação no Brasil. Após o país ultrapassar a marca de...

Parlamentares planejam ações preventivas para enfrentar colapso no Pará

O Comitê de Crise da Covid-19 no Congresso Nacional se reuniu nesta quarta-feira com diferentes lideranças para tratar da situação da saúde no Pará, estado...

Anvisa faz alerta sobre dosagem correta da CoronaVac

A Gerência de Farmacovigilância da Anvisa emitiu nesta terça-feira um alerta sobre a dosagem correta da vacina CoronaVac.  No documento, a agência chama a atenção...

No Maranhão, vacinação contra a covid-19 causa…aglomeração

A vacinação contra a covid-19 em São Luís, a capital do Maranhão, tem provocado cenas já clássicas do noticiário da pandemia: muitas pessoas concentradas...

Brasil ultrapassa marca de 1 milhão de vacinados

O Brasil já tem mais de 1,1 milhão de pessoas vacinadas. O país ultrapassou a casa do milhão nos últimos minutos desta terça-feira, 26,...
- Advertisement -