terça-feira, janeiro 26, 2021

Nova diretriz da OMS recomenda o dobro de tempo em atividades físicas

Em 1948, na pequena cidade de Framingham, no estado americano de Massachusetts, começou a andar um dos mais fascinantes trabalhos da história da medicina. Patrocinado pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, o NIH, ele já vasculhou desde então o impacto dos hábitos cotidianos no sistema cardiovascular de 5 000 pessoas ao longo de três gerações. Os achados têm servido de base para o estabelecimento de condutas médicas adotadas em boa parte do mundo. Do levantamento brotou a constatação da relevância da atividade física na prevenção e tratamento de doenças — algo que hoje soa evidente, mas antes inexistia. A novidade: ancorada no princípio revelado pelo amplo estudo, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou um documento que detalha a quantidade adequada de exercícios para uma vida saudável.

Há mudanças ruidosas. Recomenda-se o dobro do tempo mínimo indicado até agora. Adultos de 18 a 64 anos devem praticar de 150 minutos a 300 minutos por semana de treino moderado (como caminhada ou jardinagem, por exemplo), ou de 75 a 150 minutos se a intensidade for vigorosa (corrida e subir escadas). A diretriz também esmiúça conselhos por grupos específicos, como crianças e gestantes (veja no quadro abaixo). “São as recomendações mais interessantes e decisivas já feitas nessa área nos últimos dez anos”, diz o médico do esporte Eduardo Rauen, professor de nutrologia da pós-graduação do Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

arte exercícios

A revolução é resultado de extraordinários avanços científicos, afeitos a entender melhor o metabolismo e como ele reage à ginástica. A prática regular age em doenças pontuais, e não apenas no bem-estar geral. Reduz pela metade o risco de infarto, ajuda no controle das taxas de glicose entre os diabéticos, previne depressão e vários tipos de câncer. Mas há ainda um nó: o sedentarismo extremo. As crianças e os adultos nunca permaneceram tanto tempo sentados como hoje. Pesquisa publicada na British Journal of Sports Medicine mostrou que ficar estanque horas a fio numa cadeira dificulta a absorção de glicose pelas células do organismo, reduz o consumo de oxigênio celular e atrapalha o desempenho cardiovascular. Uma das possíveis explicações para essa relação é a ausência prolongada de contrações dos músculos das pernas. Depois de ficar meia hora sentado, o corpo liga o “modo repouso” e a taxa metabólica cai. Ficar de pé evitaria essa queda, pois o músculo permanece rígido, o que consome mais energia. Estima-se que os moradores das grandes capitais passem, em média, sete horas colados na cadeira em decorrência do trabalho, estudo e televisão. Aumentar o tempo da atividade física poderá ajudar a reduzir os danos — daí a extraordinária relevância das novas indicações da OMS.

Publicado em VEJA de 23 de dezembro de 2020, edição nº 2718

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

UE pede explicações a AstraZeneca sobre corte em suprimento de vacina contra Covid-19

BRUXELAS – A União Europeia se reunirá com executivos da AstraZeneca AZN.L nesta segunda-feira para pedir mais esclarecimentos sobre...

Venda de ações leva polêmica ao BNDES

https://youtube.com/watch?v=CYPDXRNQyP4&version=3&rel=1&showsearch=0&showinfo=1&iv_load_policy=1&fs=1&hl=pt-BR&autohide=2&wmode=transparent Prestes a assumir uma cadeira no Conselho de Administração do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Arthur Koblitz, colocou em xeque a...

Marinho diz esperar “sensibilidade” para definição sobre novo auxílio emergencial

Diante da crescente pressão por uma nova rodada de auxílio emergencial para ajudar os mais vulneráveis à crise da covid-19, o ministro do Desenvolvimento...

Para vacinar rapidamente é preciso despolitizar imediatamente

Assistimos hoje no mundo ao que se pode chamar de uma corrida entre infecções e injeções. Aliás, não uma, mas várias corridas – posto...

As respostas para as principais dúvidas sobre a vacinação contra Covid-19

A campanha de vacinação contra a Covid-19 começou no Brasil na última semana, após a aprovação de uso emergencial pela Agência Nacional de Vigilância...
- Advertisement -