quarta-feira, janeiro 27, 2021

Bebidas alcoólicas podem afetar a eficácia das vacinas?

23 de dezembro, 13h58: Autoridades russas alarmaram o mundo ao anunciar, no início de dezembro, que a ingestão de bebidas alcoólicas pode afetar significativamente a eficácia das vacinas contra a Covid-19. A celeuma começou depois que a chefe do órgão de segurança do consumidor da Rússia, Anna Popova, afirmou que as pessoas que tiverem sido vacinadas com a Sputnik V deveriam se abster de álcool por quase dois meses. O diretor do Instituto Gamaleya, centro que fabrica os imunizantes em Moscou, disse que não era para tanto. Um gancho de três, talvez seis dias, era o suficiente, afirmou Alexander Gintsburg. Três dias, seis ou dois meses? O estrago já estava feito.

Estudos científicos detalham há anos que o excesso de álcool é um imunodepressor, o que significa que pessoas que bebem muito são mais suscetíveis a infecções. Pesquisadores da Universidade da Califórnia, por exemplo, afirmaram que o consumo crônico de bebidas alcoólicas reduz o número de determinadas células T, desequilibra os diferentes tipos desses organismos e ainda prejudica o funcionamento deles. Os linfócitos T são aqueles com funções imunológicas de resposta contra vírus. Em 2012, outros cientistas, desta vez suecos, concluíram que o consumo de bebidas alcoólicas em níveis de baixo a moderado afetava discretamente como o corpo reagia à vacina contra pneumonia bacteriana, ainda que não tenha interferido na resposta imunológica em si.

Como voluntária do estudo desenvolvido pelo laboratório Janssen-Cilag, não fui orientada a moderar no consumo de bebidas alcoólicas nem antes nem depois de ter recebido a minha dose, em 17 de novembro. No Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, documento que reúne todas as instruções para aqueles que, como eu, se submetem a testes com o imunizante experimental, houve pequenas alterações na orientação geral aos pacientes, como a obrigatoriedade de utilizar pílulas anticoncepcionais pelo menos 28 dias antes de receber o antígeno, mas nenhuma ressalva em relação a bebidas. Voluntários dos estudos clínicos da Oxford/AstraZeneca e da Pfizer também não foram instruídos a se abster de álcool durante a pesquisa.

Depois das informações desencontradas das autoridades russas, cientistas enfim vieram a público para deixar claro que não é necessário haver um banimento de bebidas alcoólicas durante a futura vacinação. Trata-se mais de limitar o consumo a níveis razoáveis para permitir que o corpo, após receber as doses de vacina, encontre um ambiente favorável para produzir os anticorpos. Tim-tim!

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

MP suspeita de vazamento de operação que prenderia prefeito de Manaus

A divulgação do pedido de prisão formulado pelo Ministério Público do Amazonas contra o prefeito de Manaus pelos episódios...

Sul e Sudeste intensificam vacinação e lideram o processo no Brasil

Os últimos dois dias foram quentes na corrida pela vacinação no Brasil. Após o país ultrapassar a marca de 1 milhão de vacinados, o...

Parlamentares planejam ações preventivas para enfrentar colapso no Pará

O Comitê de Crise da Covid-19 no Congresso Nacional se reuniu nesta quarta-feira com diferentes lideranças para tratar da situação da saúde no Pará, estado...

Anvisa faz alerta sobre dosagem correta da CoronaVac

A Gerência de Farmacovigilância da Anvisa emitiu nesta terça-feira um alerta sobre a dosagem correta da vacina CoronaVac.  No documento, a agência chama a atenção...

No Maranhão, vacinação contra a covid-19 causa…aglomeração

A vacinação contra a covid-19 em São Luís, a capital do Maranhão, tem provocado cenas já clássicas do noticiário da pandemia: muitas pessoas concentradas...
- Advertisement -