domingo, janeiro 24, 2021

Medicamentos contra artrite reduzem risco de morte pela Covid-19

Dois novos medicamentos se mostraram eficazes na redução da mortalidade pela Covid-19. Os anti-inflamatórios tocilizumabe e sarilumabe, normalmente utilizados no tratamento de artrite reumatoide, diminuíram em 8,5% o risco de morte em pacientes graves, internados com a doença. Além de salvar mais vidas, os tratamentos aceleram a recuperação dos pacientes e reduzem em cerca de uma semana o tempo na terapia intensiva.

O estudo, realizado por pesquisadores do Reino Unido, contou com a participação de 792 pacientes, de cinco países. Os pacientes foram divididos em três grupos: 397 pacientes receberam o tratamento padrão, 350 foram tratados com tocilizumabe e 45 com sarilumabe. O tratamento com esses medicamentos, administrados por infusão intravenosa, começou em menos de 24 horas após a entrada na UTI. Os pacientes foram monitorados por 21 dias.

Os resultados mostraram que entre os aqueles que receberam o tratamento padrão, a mortalidade foi de 35,8%, contra 28% nos pacientes que receberam, tocilizumabe e 22,2% nos tratados com sarilumabe. Isso representa um risco médio de mortalidade de 27,3% no tratamento com esses medicamentos, queda de 8,5% no risco absoluto de morte.

De acordo com o estudo, publicado quinta-feira, 7, na plataforma medRxiv, ambos parecem funcionar igualmente bem e aumentam a quantidade de medicamentos capazes de reduzir a mortalidade pela Covid-19. Até o momento, apenas esteroides, como a dexametasona, haviam apresentado este efeito.

Os resultados foram vistos com surpresa pela comunidade científica, já que estudos anteriores com estes medicamentos mostraram pouco ou nenhum benefício em pacientes hospitalizadas por Covid-19. Segundo Anthony Gordon, professor no Imperial College London, e um dos coautores do estudo, as pesquisas anteriores incluíam um número menor de pacientes graves, o que pode ter impactado nos resultados.

Tanto o tocilizumabe quanto o sarilumabe são conhecidos como antagonistas do receptor da IL-6, que atenuam a reação exagerada do sistema imunológico, associada ao agravamento dos casos de Covid-19.

Embora ainda precise ser revisado por pares e publicado em uma revista científica, os resultados já começam a gerar frutos. O NHS, serviço de saúde do Reino Unindo, anunciou que começará a usar o tocilizumabe no tratamento de pacientes com coronavírus a partir desta sexta-feira, 8.

 

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Após pedido de Aras ao STF, Pazuello viaja para o Amazonas

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, viajou hoje à noite a Manaus, capital do Amazonas, acompanhado do primeiro lote...

Oxford: o número de doses enviadas para cada estado brasileiro

O Programa Nacional de Imunização contra Covid-19 conta agora com mais uma vacina. Trata-se do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford em parceria com a...

Oxford: Fiocruz sugere intervalo máximo entre primeira e segunda dose

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), responsável por elaborar a bula e finalizar as doses iniciais da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela...

Oxford: infectologista da Fiocruz é o 1 º brasileiro a receber a vacina

O infectologista Estevão Portela foi o primeiro brasileiro a receber uma dose da vacina contra Covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com...

Amazonas receberá cota extra de vacinas para frear pandemia

O Ministério da Saúde informou nesta sexta-feira, 22, que o governo federal vai criar um Fundo Epidemiológico para reforçar a imunização contra a Covid-19...
- Advertisement -