domingo, maio 16, 2021

Abelhas-sem-ferrão podem ser criadas em casa; confira dicas


Meliponicultor destaca pontos importantes para quem deseja começar a atividade; insetos são responsáveis por polinização de inúmeras espécies da flora. Você sabia que as abelhas nativas do Brasil são conhecidas como abelhas-sem-ferrão?
Já imaginou criar abelhas-sem-ferrão no quintal, ou mesmo dentro de casa? Essa prática tem se tornado cada vez mais comum entre os brasileiros, afinal, o País é casa para mais de 200 espécies nativas.
Por ter se popularizado, a atividade pode parecer simples, mas requer atenção às normas e conhecimento sobre as abelhas. É o que explica o meliponicultor Bruno Azevedo. “Eu sempre recomendo que, antes de procurar por iscas e pela caixa, a pessoa busque por informação. Nós temos bastante literatura sobre abelhas nativas, por isso antes de ter, é preciso estudar”, diz.
Saboroso, o mel de abelha jataí possui uma ação antibacteriana superior a do mel comum
Sidney Cardoso/VC no TG
No ‘roteiro’ de estudos de um aspirante à meliponicultora destacam-se alguns capítulos importantes. “As pessoas precisam se ater ao nome científico, porque nome popular gera muita confusão, por exemplo: existem pelo menos 10 ou 12 espécies popularmente conhecidas como uruçu-amarela, mas só duas delas ocorrem no estado de São Paulo. Se não checar, o criador acaba tento problemas na compra por não se comunicar direito”, diz.
Espécies indicadas para a produção de mel
uruçu (Melipona scutellaris),
tiúba (Melipona fasciculata),
jandaíra (Melipona subnitida),
uruçu-cinzenta (Melipona manaosensis),
mandaçaia (Melipona quadrifasciata anthidioides)
jataí (Tetragonisca angustula)
Abelhas sem ferrão produzem mel com mais elementos antibióticos e nutritivos
Conheça detalhes das abelhas nativas, popularmente conhecidas como abelhas-sem-ferrão
Arte TG
Com a certeza sobre o nome da espécie, o próximo passo é avaliar a área de ocorrência da abelha, item crucial na hora de investir na criação de abelhas sem ferrão. “É importante negociar com meliponicultores da região que você mora, garantindo que aquela espécie ocorre naturalmente no local. Não adianta morar em São Paulo e criar uma abelha típica do Mato Grosso só porque ela é bonita”, reforça Bruno.
“Anos atrás era muito comum ver enxames de abelhas trazidas de caminhão do Maranhão. Na época o pessoal criou uma demanda sobre essa espécie, mas hoje é difícil encontrá-las aqui, porque a maioria morreu”, lembra.
Existe uma estatística no tráfico de animais de que a cada 10 traficados pelo menos 9 morrem para que um chegue ao seu destino. A abelha tem uma estatística semelhante, porque a maioria dos enxames acabam morrendo nos primeiro ou segundo ano
Outro problema possivelmente provocado pela criação de espécies exóticas para a região é o desequilíbrio ambiental. “No caso das que sobrevivem, quanto mais adaptada maior a chance da abelha se reproduzir no ambiente e causar um impacto ambiental negativo, como invasora”.
Faça uma armadilha para atrair as abelhas sem ferrão
Para a etapa da compra do enxame, o meliponicultor alerta. “Em primeiro lugar procure um meliponário cadastrado, regulamentado, que não seja predatório. Infelizmente temos pessoas que tiram enxames da natureza, o que é crime ambiental, caracterizado como tráfico de animais”, completa.
Estados e municípios estipulam regras para a criação de abelhas nativas
Abelhas por perto
“Eu costumo dizer que hoje, no Brasil, a criação de abelhas sem ferrão é a melhor atividade possível pra ser exercida. Além de ser um mercado em ascensão, você promove diversos benefícios para o meio ambiente”, destaca Bruno, que mesmo morando próximo ao centro da cidade de São Paulo, percebe os frutos da criação das abelhas – literalmente.
“Depois que comecei a criar percebi muito mais frutificações nas árvores aqui do bairro. O serviço mais importante das abelhas é a polinização. Muitas pessoas só lembram das abelhas pelo mel, mas ele é só uma consequência desse processo polinizador”, afirma.
Estudar questões básicas da meliponicultura é essencial para a criação das espécies
Arte TG
Onde criar?
O meliponicultor destaca que não é preciso ter muito espaço para criar as abelhas sem ferrão. O importante é garantir alimento e proteção. “Quem cria abelhas precisa pensar no plantio. Não adianta ter 500 caixas e não plantar nada, afinal, elas precisam de alimento. Além disso, as caixas devem estar protegidas do sol e da chuva”, diz.
Colmeias de cinco espécies diferentes foram instaladas em áreas públicas da cidade
Felipe Thiago de Jesus/Gente da Terra
Outro alerta importante é priorizar o distanciamento das colônias. “Existem espécies tolerantes que conseguem conviver lado a lado, mas outras são muito territorialistas, como borá, jataí e até a mandaçaia. A orientação é mantê-las o mais distante possível: no caso das jataís, no mínimo com cinco ou seis metros de distância. Procure também manter as entradas das colônias em direções opostas, para que não haja cruzamento dos indivíduos durante o voo”, finaliza Bruno.
Confira mais dicas na cartilha desenvolvida pela Embrapa

Ultimas Notícias

Homem é atropelado e morre ao tentar atravessar Rodovia Santos Dumont, em Indaiatuba

De acordo com a Polícia Militar Rodoviária, vítima empurrava uma bicicleta quando foi atingida pelo veículo, que...

Estudante é morta a facadas pelo companheiro em Santa Bárbara d'Oeste

Janaína Amorim Pereira da Silva, 24 anos, foi encontrada morta neste domingo (16) pela mãe e irmã; suspeito...

Vacinação: 87% dos brasileiros de 70 a 79 anos receberam ao menos uma dose

A vacinação contra a Covid-19 de pessoas com idades entre 70 e 79 anos chegou a 87,5% dos brasileiros. O quantitativo animador, porém, diz...

Superlaboratório Sirius 'abre as portas' ao público com visita virtual guiada nesta segunda

Evento começa às 10h e apresenta detalhes da maior estrutura científica do Brasil, instalada em Campinas (SP). Acelerador...

Com destaque no setor de serviço, região de Campinas inicia semana com 764 vagas de emprego

Levantamento do G1 mostra como se candidatar para postos de trabalho em 11 cidades. Em Hortolândia, há 120...
- Advertisement -