segunda-feira, abril 12, 2021

BBB da natureza: guia divulga aves flagradas no quintal em um ano de pandemia


Geiser Trivelato faz vídeos das espécies que frequentam a chácara da família em Jacutinga (MG); registros compartilhados nas redes sociais incentivam a prática. Durante um ano, respeitando o isolamento social, Geiser Tivelato se dedicou à observação d
Como guia de observação de vida selvagem Geiser Tivelato já visitou pelo menos 35 cidades brasileiras. No acervo ele reúne flagrantes emocionantes, como o de onças-pintadas disputando território. Mas no último ano Geiser foi surpreendido pela riqueza de espécies registradas na chácara da família, em Jacutinga (MG).
Sem sair de casa, respeitando o isolamento social, o guia pôde observar 50 aves diferentes e registrar a maioria delas em vídeo. “Meu trabalho antes da pandemia me mantinha muito tempo longe de casa, mas a chegada da COVID fez com que tudo parasse e isso me forçou a colocar em prática o que já tinha em mente: mostrar de alguma forma o que existe na minha cidade e, melhor ainda, mostrar o que podemos fazer em termos de recuperação ambiental, plantando e atraindo a fauna para perto da gente”, conta Geiser, que junto à família se dedica à conservação na região onde mora.
Sem sair de casa, Geiser pôde registrar detalhes das espécies atraídas pelas árvores plantadas na chácara da família.
Geiser Trivelato/VC no TG
“Plantamos muitas coisas nos últimos 30 anos e agora estamos colhendo os frutos. Além do comedouro, que instalamos há 13 anos, as árvores ao redor da casa atraem naturalmente a fauna. Um exemplo disso são os tucanos que comem os coquinhos maduros da palmeira e os japus, que flagramos comendo manga ao lado da casa de campo”, destaca.
Além das flores e dos frutos, insetos também atraíram aves fotografadas por Geiser, como corruíra e arapaçu-do-cerrado. A lista conta ainda com pipira-vermelha, saí-azul, gaturamos e saíra-amarela, admiradas pelas cores, mas quem roubou a cena foram outras espécies. “Aves como a gralha-do-campo, o japu, a saracura-do-mato e a juriti-pupu me chamaram bastante atenção”, conta.
Comedouro instalado no local há 13 anos é ‘point’ para diversas aves.
Geiser Trivelato/VC no TG
Minha surpresa ficou por conta de ter descoberto que um casal de gavião-miúdo (Accipiter striatus) que de vez em quando atacava as aves de nosso comedouro. Mas não consegui filmar isso, infelizmente.
“Também tive a oportunidade de registrar nos comedouros aves como o saí-canário, um casal de choca-barrada ou mesmo o garibaldi”, revela Trivelato, que se emocionou com o flagrante de um casal de jacuaçu. “Foi emocionante ver, por duas vezes durante esse último ano, o casal trazer seus pequenos filhotes para se alimentarem em nosso comedouro. Pudemos acompanhar todo o desenvolvimento deles”, lembra o guia, que fez questão de envolver a família na atividade. “Meus pais, meus irmãos, sobrinhos, minha esposa e meu filho participaram das observações. Acho muito importante mostrar isso para as crianças, levá-las para colocas as frutas nos comedouros e mostrar a elas as aves que chegam. O futuro está nas mãos deles em relação ao cuidado com a natureza e nosso papel é educá-los para gostar e respeitar desde já”, completa
Registros mostram variedade de cores, tamanhos e hábitos da avifauna brasileira.
Geiser Trivelato/VC no TG
“Para mim, foi e ainda está sendo, acima de tudo uma terapia, uma forma de buscar ficar em paz, esquecer do ano difícil que passamos ou que ainda está por vir. Passei muitas e muitas horas com meu tripé e câmera, as vezes sozinho, sentado na varanda da casa da chácara esperando pelo aparecimento de alguma espécie e isso fez o tempo passar mais suave, sem preocupações. A gente esquece de tudo e nem vê a hora passar fazendo o que gosta, não é mesmo?”
Além da experiência em família, Geiser aproveitou o material em vídeo para incentivar outras pessoas a observarem a natureza: os flagrantes estão sendo publicados nas redes sociais. “Com as paralisações impostas no início da pandemia, pensei que filmar as aves da chácara seria um bom divertimento e agora percebo que o resultado dessa brincadeira se tornou também uma maneira de alegar as pessoas que estão em casa assistindo meus vídeos. Além disso, servir como fonte de inspiração para que mais pessoas plantem árvores e atraiam as aves para perto, como fizemos”, finaliza.
O guia reuniu a família durante as observações no quintal; crianças participaram da manutenção dos comedouros.
Geiser Trivelato/VC no TG

Ultimas Notícias

Em 100 dias, rede municipal atende o equivalente a 11% da população de Campinas com suspeita de Covid-19

Percentual representa cerca de 133 mil pessoas que procuraram consulta médica em UBSs,...

Campinas abre agendamento da vacinação contra Covid-19 para maiores de 67 anos

Cadastro deve ser feito no site, onde será informado horário e local de aplicação. Cidade conta com cinco...

Banco de leite da Maternidade em Campinas atinge nível mais crítico da pandemia; veja como doar

Hospital tem estoque de 139 litros, volume 30,5% inferior aos 200 indicados como mínimo ideal, e reivindica doações....

Último pracinha de Campinas morre aos 101 anos: 'Legado de exemplo e dedicação à família'

Ex-combatente Justino Alfredo esteve em batalhas contra soldados nazistas na Itália durante a 2ª Guerra Mundial. Veterano enfrentava...

Em 100 dias à frente de Campinas, Dário entrega parte das ações, destaca combate à pandemia e defende lei de comissionados

Em janeiro, prefeito havia traçado plano de 72 metas, mas algumas não saíram do papel - como...
- Advertisement -