sexta-feira, abril 16, 2021

Comida caseira resgata tradições e é capaz de contar histórias, diz cozinheira e socióloga da Unicamp


Ato de comer carrega em si um sentimento de pertencimento e compartilhamento, afirma Talitha Ferreira. Para moradoras da região, receitas tradicionais mantêm vivas trajetórias familiares. Para socióloga da Unicamp, ato de comer pode ser analisado por um viés cultural e social
O que pode dizer um prato de comida? Para a cozinheira e mestra em sociologia da cultura pela Universidade de Campinas (SP) Talitha Ferreira, o que colocamos à mesa é capaz de manter tradições vivas e contar histórias, sejam elas nacionais, regionais ou de núcleos familiares.
“É nas cozinhas domésticas, rurais e urbanas, onde ainda estão representados e assentados os diferentes gostos e comidas que podemos chamar de ‘nacionais’, ‘regionais’ e assim por diante. […] A comida caseira é um traço de identidade comum à humanidade, de modo geral”, explica a socióloga.
Para Ferreira, a comida também pode ser observada por um viés social e cultural. “O comer já traz, em si, algo de pertencimento e de compartilhamento. Esse compartilhamento pode ocorrer com referência aos integrantes de uma casa ou de uma família, aos integrantes de uma etnia ou povo, ou mesmo aos moradores de um país inteiro”, afirma.
Amor à mesa
Bisneta de um casal imigrante da Alemanha, a psicóloga Iris de Miranda vê na comida uma oportunidade de manter viva a memória da família. A avó, Tulle Smith, deixou como legado aos netos a receita alemã que herdou dos pais e que, por consequência, se tornou “marca registrada” nas datas comemorativas.
A Grießklößchensuppe (ou Klösse, como é chamada pela família), que em tradução livre significa “sopa de bolinhos de semolina”, é considerada simples e chamada de “sopa de camponês” na Europa. “Com uma base de legumes para fazer o caldo, ela tem bolinhos de semolina, que é o que dá o nome da sopa”, explica a psicóloga.
“Minha avó preparava o caldo da sopa no dia anterior, trazia numa ‘panelona’ de São Paulo para Campinas e deixava para fazer os bolinhos aqui, na hora”, lembra. Após a morte da avó, Iris e a irmã tentaram reproduzir o prato.
“Tentávamos fazer em casa, sozinhas, mas sempre dava errado e os bolinhos desmanchavam. Não ficava o mesmo gosto […] Hoje em dia estamos até que razoáveis. Acho que era um jeito de manter essa tradição e manter ela junto, manter a presença dela no Natal que sempre foi central”, afirma.
Grießklößchensuppe, receita tradicional da família de Iris de Miranda
Iris de Miranda/Arquivo Pessoal
Memória afetiva
Já para a aposentada Rosa Maria Giorgino Duarte, de Limeira (SP), a tradicional receita de doce de abóbora, que foi ensinada pela mãe e está na família há 50 anos, é uma forma de lembrar da rotina na fazenda quando criança.
“A gente tinha sempre que estar por perto pra mexer [o doce], porque era uma panela grande e não era como eu, que faço 2 kg [de doce]. Lá era uma abóbora inteira, que pesa 10 kg. Ia para a ‘nona’, para a tia, e assim vai”, recorda a aposentada.
A receita passada de mãe para filha é a primeira mostrada no quadro “Sabor de Casa”, que estreia no EPTV 1 desta quarta-feira (10) e traz receitas caseiras e histórias de cozinheiros das regiões de Campinas e Piracicaba.
Quem quiser ver sua especialidade gastronômica também aqui no G1 e na telinha da EPTV, pode mandar sugestão pra gente. Saiba como participar clicando AQUI.
Receita do doce de abóbora da Dona Rosa foi passada de mãe para filha
Alexandre de Jesus/EPTV
Veja mais notícias da região no G1 Campinas.

Ultimas Notícias

Pesquisa revela que forma grave de Covid-19 pode afetar os olhos

Uma pesquisa brasileira revela que a Covid-19 pode causar lesões sérias e irreversíveis nos olhos de pacientes que tiveram...

Taxa de reprodução da Covid-19 volta a subir em Campinas, mas segue indicando regressão da pandemia

Metrópole atingiu índice de 0,9 e resultados menores que 1 sugerem que casos estão em queda. Devisa afirma...

Emdec bloqueia dois trechos do Jardim Londres para obras da Sanasa neste fim de semana

Bloqueios ocorrem entre as ruas Ferdinando Panattoni e Oswaldo Oscar Barthelson e no cruzamento das vias Geraldo Nogueira...

Shoppings de Campinas reabrem a partir de domingo com horário e capacidade limitada

Estabelecimentos voltam a funcionar das 11h até às 19h, com 25% da capacidade de lotação, após prefeitura anunciar...

Maranhão cria rede de acolhimento a pessoas com sequelas da Covid-19

Pacientes com sequelas da Covid-19 vão contar com um sistema de atendimento na saúde estadual. O governador Flávio Dino anunciou, nesta sexta-feira, a implantação...
- Advertisement -