terça-feira, abril 13, 2021

Como organizar o tempo e manter a calma em um concurso de gastronomia


Veja as dicas de profissionais da cozinha para se dar bem na prova da etapa final do Tá Combinado. iStock
iStock
O concurso Tá Combinado, lançado pela O.A. Eventos contando com o patrocínio da rede de supermercados Savegnago, terá uma final presencial no dia 29 de maio com a participação dos cinco classificados.
Eles terão que preparar uma combinação para um novo prato a ser escolhido pelo Savegnago e servir para a avaliação dos jurados. A final acontecerá na cozinha da Universidade São Francisco (USF), em Campinas, e o grande campeão será apresentado ao público ao vivo no programa Mais Caminhos, da EPTV.
Confira o regulamento aqui.
Faça a sua inscrição aqui (link ativo a partir de 10.04 às 14h40)
Assim como em reality shows e concursos de gastronomia presenciais, os participantes terão que saber se organizar para preparar o prato em um tempo determinado e controlar as emoções para não se prejudicarem pelo nervosismo ou ansiedade.
Convidamos profissionais que trabalham na cozinha e que já participaram de realities como Mestre do Sabor, da TV Globo, e Que Seja Doce, do GNT, e do concurso Super Mega Burguer, promovido pela EPTV, para dar dicas que podem ajudar os finalistas do Tá Combinado. Além deles, o coordenador do curso de Gastronomia da USF também compartilha orientações que vão ajudar os cozinheiros de mão cheia que estiverem na final. Veja:
Alexandre Meneghetti, chef, professor e coordenador do curso de Gastronomia da USF
Crédito: Arquivo pessoal
“Para se sair bem em uma etapa presencial de um concurso de gastronomia, é importante apostar em algo com preparação rápida, mas com boa combinação de sabores e visual legal, para conquistar os jurados pela apresentação do prato e pelo sabor. Em relação à organização de tempo, minha dica é cronometrar os preparos que faz em casa para saber exatamente o que leva mais tempo e, na prova, começar justamente pelo que demora mais, já sabendo toda a sequência da execução. Evite deixar tudo pronto ao mesmo tempo e com muita antecedência, pois a necessidade de esquentar na hora de servir altera a textura. Se for uma carne, por exemplo, o participante pode dar uma pré-fritada ou chapeada e reservar. Aí, quase na hora de servir, ele acerta o ponto. Treinar em casa também ajuda a manter a calma no dia da final. Nós, da cozinha, trabalhamos com o plano de ataque, que é o modo de preparo é mais detalhado, com cada passo e em que momento deve ser dado para preparar o prato. Ter isso memorizado favorece a tranquilidade na hora de executar.”
E agora a dica de ouro de Alexandre:
“Por fim, é bom se imaginar em casa, na cozinha em que atua no dia a dia, sem ficar pensando que tem gente filmando e que depois terá muita gente assistindo. Estar tranquilo é fundamental para que o resultado final tenha melhor qualidade”.
Alexandre Meneghetti, chef, professor e coordenador do curso de Gastronomia da USF
Ana Bueno, chef que foi participante do MESTRE DO SABOR em 2019.
Arquivo pessoal
“Eu cozinho há mais de 20 anos e tinha uma situação confortável de carreira na gastronomia. Eu fico nervosa só de assistir aos realities, mas fui para o Mestre do Sabor para representar e divulgar a minha cidade. Acho que fiz uma participação muito legal. O que está acontecendo ali é real, mas não é o que a gente vive dentro de nossa cozinha. Temos pressão. Eu mesma já tive que improvisar muitas vezes, como ao cozinhar em um navio e buscar ali uma alternativa para um ingrediente que faltou. Fiquei em todas as etapas de equipe do Mestre do Sabor e saí em uma prova individual. Hoje, acho que eu estava tão nervosa, que não me soltei. Estou acostumada com o trabalho em equipe. No restaurante, há etapas de produção e cada um faz uma parte. No concurso, fazer todas as etapas sozinha em uma hora é desafiador. Tem pessoas que têm mais habilidade para isso e outras não e isso não as qualifica como boas ou ruins na cozinha. Cada um atua de uma forma.”
Ana finaliza:
“A minha dica é ir para uma competição dessas com o espírito bem livre. Vale fazer um exercício de respiração antes para ficar tranquilo. É importante também saber algumas técnicas clássicas que você pode precisar em qualquer momento e ter algumas receitas memorizadas. Receita é repetição. Quanto mais você faz, melhor você fica.”
Ana Bueno, chef e proprietária do restaurante Banana da Terra, de Paraty, e participante da 1ª edição do Mestre do Sabor, em 2019
Eduardo Bezerra, chef confeiteiro, ganhador do QUE SEJA DOCE em 2017
Crédito: Adalberto de Melo
“Minhas principais sugestões são: tentar se preparar ao máximo, estudar e fazer muitos testes em casa. É preciso pensar em todas as possibilidades e reforçar principalmente o que você não domina. No Que Seja Doce, eles não falam antes o que você vai precisar preparar, mas dão algumas dicas do que vai acontecer. Era uma história na qual as pessoas eram congeladas e depois queimadas, então, eu e minha esposa, Karine, que foi minha ajudante, imaginamos que seria uma sobremesa gelada e uma assada. Estudei muito sobre sorvete, sorbet e gelato, com leite e sem. Para a parte dos assados, que eu tenho mais afinidade, foquei nos detalhes. Mesmo se for uma receita em que você é acostumado a fazer em casa, vale testar pelo menos uma vez na sua cozinha para ver se o tempo bate, considerando, inclusive, a montagem. Outra dica legal é fazer uma porção menor, com produção mais rápida. Também é preciso ter em mente que menos é mais, respeitar o seu estilo e usar ingredientes de qualidade.”
Eduardo fecha com uma superdica:
“Em relação ao lado emocional, é fundamental ter confiança em você, fé e muito foco. Sugiro, ainda, observar bem a cozinha, o espaço que você terá para trabalhar, o fogão e o forno, e pesquisar sobre os concorrentes.”
Eduardo Bezerra, chef confeiteiro e proprietário da Original Cheesecake, de Campinas, ganhador do Que Seja Doce, em 2017
Fernando Modenutti dos Santos, de Campinas, ganhador do Super Mega Burguer de 2019
Crédito: Jéssica Mazzo
“Quando fiz a inscrição para participar do Super Mega Burguer, já fiquei atento às regras e no dia da final, foi reforçado que era preciso respeitar o tempo e quem passasse teria penalidade. Eu fiz um teste em casa e, como as regras permitiam levar alguns itens para a competição, levei uma chapa, fogão e até botijão de gás. Também era permitido levar o hamburguer moldado, a salada picada e isso foi bom para me tranquilizar. O que eu senti mais medo foi por nunca ter utilizado uma cozinha industrial, mas havia duas pessoas que nos auxiliaram e explicaram como funcionavam o fogão e a fritadeira. Mas, na hora da prova, o meu queijo não fundiu e esse foi o único ponto negativo do meu lanche, segundo os jurados. A produção ficava avisando sobre a passagem do tempo e a gente tem que aprender a lidar com pressão. Essa é uma dica importante! Hoje, trabalho com o meu food truck e sei que isso faz parte da realidade.”
Fernando também aconselha:
“Além disso, é muito importante apostar em produtos de qualidade, afinal, depois existe uma cobrança por parte dos clientes, que querem um produto muito bom”.
Fernando Modenutti dos Santos, de Campinas, ganhador do Super Mega Burguer de 2019
Logotipo Tá Combinado
Divulgação EPTV

Ultimas Notícias

Avião da Azul faz pouso de emergência no Galeão após piloto relatar fumaça a bordo

Dois passageiros que se sentiram mal durante a situação precisaram ser atendidos pelo...

DIG prende suspeito e apreende fios roubados que seriam trocados por drogas em Indaiatuba

Policiais civis também localizaram porções de entorpecentes, simulacro de revólver, faca e cerca de R$ 2,5 mil em...

Em 100 dias, rede municipal atende o equivalente a 11% da população de Campinas com suspeita de Covid-19

Percentual representa cerca de 133 mil pessoas que procuraram consulta médica em UBSs, UPAs ou nos hospitais mantidos...

Campinas abre agendamento da vacinação contra Covid-19 para maiores de 67 anos

Cadastro deve ser feito no site, onde será informado horário e local de aplicação. Cidade conta com cinco...

Banco de leite da Maternidade em Campinas atinge nível mais crítico da pandemia; veja como doar

Hospital tem estoque de 139 litros, volume 30,5% inferior aos 200 indicados como mínimo ideal, e reivindica doações....
- Advertisement -