quarta-feira, fevereiro 24, 2021

Covid-19: Campinas registra, em média, uma morte a cada 3 horas nos primeiros 40 dias de 2021


Cidade contabiliza 246 óbitos entre 1º de janeiro e 10 de fevereiro, mais que o último trimestre de 2020. Veja números. Cemitério da Saudade, em Campinas
Carlos Bassan / PMC
As mortes registradas por Covid-19 em Campinas (SP) nos primeiros 40 dias de 2021 já superam o total de óbitos pela doença do último trimestre do ano anterior. Levantamento do G1 com base na data das ocorrências mostra que 246 moradores perderam a vida entre 1º de janeiro e 10 de fevereiro – uma média de um óbito a cada 3 horas.
Para efeito de comparação, entre os meses de outubro e dezembro de 2020 foram contabilizadas 233 mortes – veja, abaixo, o gráfico com os casos mês a mês. Os números ainda podem sofrer alterações, já que casos e mortes podem ser contabilizados posteriormente, quando são registrados no sistema.
Considerando todo o ano de 2020, entre a primeira morte confirmada, em 28 de março, até os registros de 31 de dezembro, a cidade perdeu 1.500 moradores para a doença – uma média de um óbito a cada 4 horas.
Dados de 2021
Em janeiro, até o momento, foram confirmados 184 óbitos. Na comparação durante toda a pandemia, é o quarto mês com mais mortes, atrás apenas do período do primeiro pico – junho (291), julho (409) e agosto (287).
Idade, sexo, comorbidades: veja o perfil das vítimas em Campinas
Entretanto, o primeiro mês de 2021 foi o que mais registrou novos infectados – 10.382. Ao G1, o infectologista André Giglio Bueno, da PUC-Campinas, destacou que o número de óbitos não acompanhou o aumento de casos em janeiro justamente pela mudança no perfil dos infectados.
“Esse aumento muito expressivo de infecções nos mais jovens ajuda a diminuir a letalidade”, disse Bueno.
Nos dez primeiros dias, fevereiro já registrou 62 mortes, sendo que 22 delas ocorreram em apenas duas datas – nos dias 2 e 4 de fevereiro, foram confirmados 11 óbitos por Covid-19 em cada uma delas.
Vacinação
Campinas deu início nesta quinta (11) a imunização de idosos acima de 85 anos. Segundo a prefeitura, a ideia é imunizar o quanto antes essa parcela da população, que responde por 28% das mortes por Covid-19 desde o início da pandemia.
Centro de vacinação da Vila União tem idosos aglomerados e fila de carros
“Estamos com muita pressa de vacinar os idosos. É um mecanismo indireto contra a taxa de internação. Quem puder ir vacinar no centro, que faça isso. Temos pressa para diminuir a mortalidade e as internações”, defendeu Lair Zambon, secretário municipal de Saúde.
Profissional prepara aplicação da dose da Coronavac na rede pública de Campinas (SP)
Adriano Rosa
Veja mais notícias da região no G1 Campinas

Ultimas Notícias

Agentes apreendem droga sintética escondida na sola de tênis enviado ao CPP de Campinas

O calçado foi enviado pelos Correios supostamente pelo pai de um de um...

Campinas registra 88,4% de ocupação em UTIs Covid e SUS municipal segue com vagas só para grávidas

Balanço aponta que 252 das 285 estruturas estão ocupadas; há 33 instalações de terapia intensiva exclusivas para coronavírus...

Campinas registra mais 10 mortes por Covid-19 e chega a 1.836

Com sistema do Ministério da Saúde fora do ar, boletim desta quarta (24) informa que foi possível notificar...

Frente de prefeitos diz que negocia direto com farmacêuticas vacinas de Covid para reforçar plano nacional de imunização

Presidente da entidade, Jonas Donizette disse que mira Sputnik e Pfizer. Laboratório americano afirmou que só negocia com...

Polícia Civil prende fazendeiro suspeito de roubar 40 cabeças de gado em Santo Antônio de Posse

Animais foram levados de cinco lotes vizinhos à fazenda onde o homem reside com a irmã. Ele também...
- Advertisement -