domingo, maio 16, 2021

Covid-19: variante P.1 representa 73,9% das amostras da regional de Campinas analisadas em estudo


Mapeamento do Instituto Adolfo Lutz considerou 1.439 sequências enviadas pelas equipes de Vigilância Epidemiológica de todo o estado. Infectologista afirma que disseminação da mutação explica, em partes, agravamento da pandemia. Profissional de laboratório analisa amostras de pacientes com Covid-19 para identificar variantes do coronavírus
Thiago Duarte/Agência Alagoas
Um estudo realizado pelo Instituto Adolfo Lutz com amostras de pacientes com Covid-19 no Departamento Regional de Saúde da 7ª região (DRS-7), com sede em Campinas (SP), identificou que 73,9% dos materiais analisados correspondem à chamada “variante brasileira” P.1, considerada mais transmissível e capaz de causar reinfecção.
O mapeamento considerou 1.439 amostras enviadas pelas equipes de Vigilância Epidemiológica de todo o estado de São Paulo, tendo como critérios de seleção a “relevância clínico-epidemiológica e representatividade estatística”. A Secretaria Estadual de Saúde, porém, não informou qual foi a amostragem utilizada especificamente na regional de Campinas.
Ainda segundo o relatório, a DRS-7 é a segunda em todo o estado com maior prevalência da P.1, ficando atrás apenas da regional de Ribeirão Preto (SP). De acordo com a Saúde, a mutação é considerada pelas autoridades sanitárias uma “variante de atenção” já que, além da maior transmissibilidade, pode agravar o quadro da doença.
Estudo do Adolfo Lutz diz que variante brasileira corresponde a 90% dos casos no estado
Além da P.1, outra mutação considerada de atenção que circula na regional de Campinas é a B.1.1.7, variante britânica que passou a ser identificada no estado em novembro. Dentre as amostras analisadas pelo instituto, a mutação representa 12,33% dos casos, segundo maior percentual para essa variante no estado.
Agravamento da pandemia
Para a médica infectologista Raquel Stucchi, professora da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp e consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia, a disseminação da mutação P.1 explica, em partes, o agravamento da pandemia.
“Nós tivemos o favorecimento do desenvolvimento da variante por aglomerações lá em novembro [com as eleições], e a manutenção da quebra da barreira de transmissão durante o mês de janeiro e fevereiro também. Essa nova variante transmite muito e isso explica essa explosão no número de casos, particularmente numa população abaixo de 50 anos, que foi quem mais se expôs”, afirma a médica.
Ainda segundo a infectologista, a maior transmissibilidade do vírus significa que pessoas que se expuseram mais à doença, seja no transporte público a caminho do trabalho ou em festas clandestinas e encontros com aglomerações, foram, por consequência, as que mais adoeceram.
Unicamp identificou variante brasileira em Campinas pela 1ª vez em 31 de março
“O importante é que esta vigilância de pesquisa das variantes se mantenha porque, pela curva, nós podemos ver que a variante sul-africana parece ter uma tendência de aumento, e ela preocupa muito, porque além de se transmitir mais, ela é mais resistente às vacinas que nós temos atualmente”, alerta Stucchi.
O que já sabemos sobre a variante brasileira do coronavírus
Como é feito o sequenciamento?
Diretor do Centro de Respostas Rápidas do Instituto Adolfo Lutz, Adriano Abbud explica que o monitoramento das linhagens da Covid-19 é um processo de “altíssima complexidade”, pois requer um sequenciamento completo do genoma do vírus.
“Para fazer esse sequenciamento não é apenas colocar numa máquina e ler um resultado. Você tem que fazer extração do RNA do vírus, clonar o DNA, lubrificar isso, fazer bibliotecas para fazer diluições e, depois disso, a gente coloca na máquina, que é um sequenciador de nova geração e vai te dar um resultado”, explica Abbud.
Para chegar ao resultado, no entanto, ainda é necessária uma análise de informática que será responsável pela geração do arquivo final. “O Brasil, em números absolutos, é o 22º país no mundo que mais sequencia. […] Nunca se sequenciou tanto no Brasil, e sequências de altíssima qualidade”, destaca.
“O mais importante é se resguardar do novo coronavírus, manter o distanciamento social, usar máscaras, fazer higienização de mãos, isso é o mais importante, porque nós estamos lidando com uma pandemia de um único vírus”, finaliza o diretor do Centro de Respostas Rápidas.
VÍDEOS: veja o que é destaque na região de Campinas
Initial plugin text
Veja mais notícias da região no G1 Campinas.

Ultimas Notícias

Estudante é morta a facadas pelo companheiro em Santa Bárbara d'Oeste

Janaína Amorim Pereira da Silva, 24 anos, foi encontrada morta neste domingo (16)...

Vacinação: 87% dos brasileiros de 70 a 79 anos receberam ao menos uma dose

A vacinação contra a Covid-19 de pessoas com idades entre 70 e 79 anos chegou a 87,5% dos brasileiros. O quantitativo animador, porém, diz...

Superlaboratório Sirius 'abre as portas' ao público com visita virtual guiada nesta segunda

Evento começa às 10h e apresenta detalhes da maior estrutura científica do Brasil, instalada em Campinas (SP). Acelerador...

Com destaque no setor de serviço, região de Campinas inicia semana com 764 vagas de emprego

Levantamento do G1 mostra como se candidatar para postos de trabalho em 11 cidades. Em Hortolândia, há 120...

Campinas amplia rota da linha 346 a partir desta segunda-feira; veja alteração

De acordo com a Emdec, mudança ocorre para aumentar a circulação do transporte público no bairro Jardim Itayu....
- Advertisement -