segunda-feira, março 8, 2021

Flagrante raro: biólogo registra serpente com olhos cobertos de carrapatos


Cena aconteceu na Amazônia peruana; parasitismo é comum entre os répteis. Cobra com olhos cobertos por carrapato é flagrada no Perú.
Andres Novales Aguirrezabal/ Arquivo Pessoal
“Essa foto da cobra com os carrapatos nos olhos se tornou uma das minhas favoritas porque, em minha opinião, mostra o processo real da natureza. Foi uma cena de tirar o fôlego, que realmente capta a atenção”.
É assim que o colombiano Andres Novales Aguirrezabal descreve o flagrante que conseguiu na cidade de Iquitos, no Peru. O biólogo e fotógrafo de natureza, que viveu grande parte da vida da Guatemala, estava a trabalho explorando a área amazônica atrás de animais noturnos perto de um rio, quando encontrou a Pseudoboa coronata com os olhos cheios de carrapatos.
Ele contou ainda que foi a primeira vez que viu a espécie e que as cores do réptil se destacam. “O corpo é em um tom de vermelho vivo enquanto a cabeça é preta. Ela é muito linda e fiquei super feliz com nosso encontro. Eu senti que, através da foto, consegui transparecer a minha sensação no momento”, finaliza.
A espécie é endêmica da América do Sul e ocorre na Amazônia do Brasil, Peru e Bolívia. Chega a atingir um metro de comprimento e não é venenosa. Se alimenta de lagartos e pequenos roedores.
Quando as serpentes se alimentam ou botam ovos, a pele estima e as escamas se “abrem”. Nesse momento carrapatos conseguem se fixar.
Willianilson Pessoa da Silva/Arquivo Pessoal
O herpetólogo Willianilson Pessoa afirma que o flagrante em si é raro pela qualidade de detalhes, mas que é bem comum encontrar carrapatos em cobras, assim como em outros animais (com exceção dos peixes).
“Apesar das cobras serem ‘blindadas’ pelas escamas, os carrapatos conseguem grudar nos espaços de pele que se abrem entre elas quando esses animais se esticam, a mesma coisa acontece nos olhos e os parasitas se fixam em uma membrana que é cheia de vasos sanguíneos”, explica.
As escamas dos olhos também saem quando há troca de pele.
Willianilson Pessoa da Silva/Arquivo Pessoal
Ao contrário dos mamíferos, as cobras não possuem cílios e pálpebras. Willianilson conta que uma estrutura mais resistente foi selecionada durante milhares de anos. “As serpentes andam com a cabeça pra frente e os olhos nas laterais, como elas estão em todos os tipos de ambientes, se enterram e sobem em árvores, se tivessem estruturas sensíveis como as nossas, elas seriam destruídas e danificadas. Por isso os olhos têm escamas, mas que também estão sujeitos aos parasitas por serem uma região mais úmida”.
De acordo com o especialista, é possível que os carrapatos, em alguns casos, causem cegueira nas cobras, mas geralmente eles tendem a se soltar para a reprodução. “Mesmo no caso da cegueira, não é algo tão preocupante, já que as serpentes não sentiram muita falta de um dos olhos, pois não é algo que elas utilizam em grande escala”, afirma.
A ‘Pseudoboa nigra’, do mesmo gênero da coronata, é mais comum no Brasil e pode assumir a coloração preta e branca.
Willianilson Pessoa da Silva/Arquivo Pessoal

Ultimas Notícias

Campinas e Valinhos registram carreatas pedindo volta às aulas presenciais na fase vermelha

Apesar de liberadas pelo governo estadual, atividades presenciais em escolas públicas e particulares...

Covid-19: Regional de Campinas atinge maior média móvel de novas internações em 7 meses

Dados da Fundação Seade mostram que índice registrado neste domingo (7) é 39,4% maior que o aferido 14...

Coletivo de Hortolândia apresenta festival online de música; veja programação

Apresentações serão realizadas nos dias 7, 14 e 21 de março. Público pode acompanhar a transmissão gratuitamente pelo...

Polícia pede prisão temporária de suspeito de matar companheira a facadas em Águas de Lindóia

Diego Paiva, de 23 anos, foi ouvido e liberado no sábado; SSP informa que autoridade policial aguarda decisão...

O ranking das vacinas mais usadas no mundo

Pouco mais de um ano após o início da pandemia de coronavírus, 261 vacinas contra a Covid-19 estão em desenvolvimento. Destas, 79 estão na...
- Advertisement -