segunda-feira, março 1, 2021

Flagrante raro de espécie de cisne mobiliza observadores de aves em Guaratinguetá (SP)


Bruno Rennó foi um dos observadores que registrou o animal; presença da espécie na região pode ser explicada por um possível erro de cálculo na rota migratória. O indivíduo ocupou uma extensa área utilizada para o plantio de arroz
Bruno Rennó/Arquivo Pessoal
Em janeiro deste ano alguns observadores de aves tiveram a sorte de um registro raro: observar uma coscoroba (Coscoroba coscoroba), também conhecida como capororoca, no município de Guaratinguetá (SP), no Vale do Paraíba Paulista. A raridade se faz pela área de ocorrência da espécie, que vive no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, podendo ser encontrada também no centro-oeste do País durante o inverno.
O biólogo especialista em aves, Bruno Rennó, foi um dos cerca de 40 observadores que visitaram a região em busca do flagrante, o primeiro registro da ave no Vale do Paraíba paulista e o sexto município do estado de São Paulo com passagem da espécie. “Para mim foi um momento extremamente importante e especial! Eu já tive a oportunidade de observar mais de 1400 espécies de aves brasileiras e a coscoroba era nova para a minha lista. Eu não poderia perder essa oportunidade, super rara para a região!”, conta.
Observadores do sul de Minas Gerais, de diversos locais do estado de São Paulo, incluindo a capital, e do estado do Rio de janeiro foram ao local em busca do flagrante
Coscoroba é classificada como uma espécie de cisne
Bruno Rennó
O único indivíduo da espécie, que no Brasil é classificada como um cisne, ocupou uma extensa área utilizada para o plantio de arroz, conhecida como Colônia do Piaguí, e ali permaneceu por quinze dias, entre o período de 07/01/2021 a 21/01/2021. “Durante esse tempo eu visitei a região em três ocasiões diferentes e nas duas primeiras consegui observar, fotografar e filmar a ave. Em minha última visita, no dia 23, percorri grandes extensões acompanhado dos observadores de aves Rafael Moreira, Lucas Bassi e Marco Antônio, mas não a encontramos”, conta.
De acordo com Rennó, no dia anterior os agricultores realizaram a drenagem do local para fazer o plantio do arroz. “Muito provavelmente por esse motivo algumas espécies podem ter abandonado o local e, desde então, não tivemos mais notícias da capororoca na região”.
Os dias de observação, no entanto, renderam flagrantes detalhados da espécie, que possui plumagem branca com a ponta das asas pretas e envergadura de dois metros. “A ave gostava de permanecer nas áreas mais abertas do arrozal, onde havia extenso espelho d’água. Lá, costumava nadar e se alimentar”, lembra.
A coscoroba é migratória durante o inverno, podendo fazer movimentos de até 1700 km em linha reta
Bruno Rennó/Arquivo Pessoal
“Também dedicava longos períodos ‘penteando’ com o bico a plumagem. O indivíduo se mostrava bastante tranquilo e todos que foram até lá conseguiram belíssimas observações e imagens”, ressalta Bruno, que em algumas ocasiões viu o animal próximo de outros grupos de marrecas, como a caneleira, marreca-cabocla e o irerê.
A presença da espécie na região intriga, mas pode ser explicada por um possível erro de cálculo na rota. “A coscoroba é tida como espécie migratória durante o inverno, podendo fazer movimentos de até 1700 km em linha reta. Porém, o registro de Guaratinguetá está fora da época de migração, por isso, provavelmente se trata de uma ave vagante. Isso costuma acontecer em espécies que percorrem longas distâncias: às vezes, por algum motivo, elas se perdem e vão parar muito longe das suas áreas de ocorrência natural”, explica.
Macho e fêmea da espécie se diferem pelo tamanho sendo os machos maiores, com até 115 centímetros, enquanto as fêmeas não ultrapassam os 68 centímetros. O peso também varia, de 4,6 quilos para 3,8 quilos, respectivamente
A presença da espécie na região intriga, mas pode ser explicada por um possível erro de cálculo na rota
Bruno Rennó/Arquivo Pessoal
Acostumada a viver em lagos, pântanos e banhados com pouca profundidade e vegetação alta, a coscoroba é onívora: se alimenta tanto de vegetais quanto de pequenos animais e insetos, capturados nas margens de lagos e rios.
No período reprodutivo a espécie constrói um ninho grande no solo, em meio à vegetação alta, sempre próximo à água. O centro, coberto de plumas, recebe de quatro a seis ovos incubados por 35 dias.
Observações raras
Além do registro da coscoroba, Rennó destaca outros encontros marcantes com espécies não tão comuns na região. “No ano passado registramos o flamingo-chileno por lá! Outros registros que se destacam são: marreca-de-coleira, migrante de inverno vinda do sul do país; marreca-colorada, migrante do hemisfério norte, com escassos registros no Brasil; tuiuiú; maguari e diversos maçaricos migratórios vindos do hemisfério norte. Agora só nos resta esperar e procurar para ver o quais outras surpresas os arrozais vão nos mostrar!”, completa Bruno.
Perdidas do bando, aves migratórias raras são encontradas no Rio de Janeiro e em São Paulo

Ultimas Notícias

Parques e bosques de Campinas têm novos horários de abertura ao público durante a fase laranja

Após reclassificação da metrópole no Plano SP, estruturas ficam disponíveis para visitação, diariamente,...

Campinas monitora 58 escolas com casos suspeitos ou confirmados de Covid-19; 18 têm possível surto

Em uma das unidades, houve confirmação de surto de casos; há 15 dias, 30 escolas eram monitoradas. Prefeitura...

Motorista morre após caminhão tombar em acesso para Rodovia dos Bandeirantes, em Campinas

Acidente ocorreu no anel viário Magalhães Teixeira, sentido capital, e há interdição. Vítima chegou a ficar presa às...

Três suspeitos são detidos durante desmanche de carro roubado em Campinas

As prisões aconteceram no domingo (28) no bairro Jardim Rossin, em Campinas. Três homens são presos em flagrante ao desmontar carro...

Coronavírus: prefeituras da região de Campinas confirmam novos casos nesta segunda, 1º de março

Veja números de pessoas infectadas e de óbitos pela doença em cada cidade. Imagem do novo coronavírus G1 As prefeituras...
- Advertisement -