sábado, abril 17, 2021

HC da Unicamp tem remédio de intubação para 6 dias e discute sobre ter de escolher pacientes com Covid: 'Cenário assustador'


Superintendente da unidade falou sobre cenário crítico em reunião da Sociedade de Medicina e Cirurgia de Campinas; prefeito da metrópole deve propor mais medidas restritivas em reunião da RMC nesta sexta (19). HC da Unicamp está com estoque crítico de remédios para intubação de pacientes com Covid-19
Reprodução/EPTV
O Hospital de Clínicas (HC) da Unicamp, referência no atendimento Covid-19 na região de Campinas (SP), tem medicamento para intubação por mais seis dias. Com pessoas à espera de leitos e o aumento de casos em progressão “geométrica”, a unidade já discute o cenário de ter de escolher pacientes que serão atendidos, inclusive com análise do “manual de decisões difíceis baseado na escassez de recursos”.
“É a coisa mais angustiante que já vivi como profissional da saúde. Esse cenário é bastante assustador”, disse Antônio Gonçalves de Oliveira Filho, superintendente do HC.
A informação foi revelada pelo superintendente durante o fórum virtual da Sociedade de Medicina e Cirurgia de Campinas (SMCC), na noite desta quinta-feira (18). O Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde havia informado que calcula que as reservas atuais do chamado “kit intubação” durem só 20 dias.
Regional de Campinas bate recorde de novas internações Covid: ‘O colapso está próximo’
Covid-19: Campinas bate recorde de mortes, com 30 registros em 24h
Em dia de recorde de mortes, Campinas tem 163 pacientes à espera de leitos
Segundo o superintendente do HC, o hospital tem o relaxante muscular Rocurônio para mais seis dias e os estoques de Midazolam, usado para sedação, “estão críticos”. Além disso, há dificuldade para comprar de outros insumos, como luvas.
“Cenário desafiador, muito grave. Nenhum de nós passou por isso na nossa vida”, disse.
Mais medidas restritivas
O evento contou com representantes de hospitais da região e com o prefeito de Campinas, Dário Saadi (Republicanos), que admitiu problema para compra de alguns insumos e que vai propor a antecipação de feriados aos prefeitos da Região Metropolitana de Campinas (RMC) como medida para tentar frear a disseminação do vírus.
Convidado do fórum, o prefeito fez um relato da situação difícil que a cidade enfrenta, com os leitos superlotados e 163 pacientes à espera de vagas, seja em UTI ou enfermaria Covid.
“Do ponto de vista do atendimento, estamos chegando ao limite. Ainda temos alguns espaços, mas temos dificuldade de contratar RH, médicos que podem cuidar de pacientes graves. Além disso, tem uma dificuldade para fornecimento de oxigênio para unidades que não tem centrais fixas”, pontuou.
Sobre medidas mais restritivas, destacou a possibilidade de antecipar feriados e defendeu as ações em prol do isolamento diante da vida, apesar dos problemas econômicos.
“Sabemos a dificuldade da economia, mas quem tem 163 pacientes precisando de uma vaga em UTI ou enfermaria, tem que pensar na vida. Eu penso nos empresários, no setor produtivo, que está sofrendo muito. Mas a gente tem que valer o que é. A gente é médico, e médico preserva a vida”, disse.
Prefeito de Campinas, Dário Saadi (Republicanos), explica dificuldades estruturais para contratação de leitos
Reprodução/EPTV
‘É uma guerra’
Na reunião, o secretário municipal de Saúde de Campinas, Lair Zambon, demonstrou preocupação com a evolução da pandemia na próxima semana. Segundo o dirigente da pasta, o alerta é feito com base na análise de indicativos como o atendimento de síndromes gripais nos Centros de Saúde (CSs).
“Já têm existido óbitos na porta. Todos estão assistidos por enquanto, mas não sei por quanto tempo ainda. Eu acho que nesses próximos 10 dias as coisas irão ficar piores, infelizmente. Nós não temos nenhum indicador hoje de que a cidade vá melhorar”, afirmou.
Segundo Zambon, ainda que o ritmo de abertura de novos leitos de UTI seja considerado acelerado, não há estruturas suficientes para suprir a demanda do município. “A taxa de ocupação perto de 100% é uma bobagem. […] hoje claramente todos os hospitais – e eu acho que o privado é a mesma coisa – estão acima de 100% de taxa de ocupação”.
“O cenário nesses próximos 10 dias é terrível, principalmente por causa desses indicadores e porque os casos são muito mais graves. […] Eu acho que é a hora da guerra mesmo. É a hora de se mexer porque realmente é uma guerra”, frisou.
Taxa de ocupação
Campinas conta nesta quinta com 403 leitos de UTI exclusivos para Covid nas redes pública e privada, sendo que 385 estão ocupados, o que representa uma taxa de 95,5%. Dos 18 leitos livres, apenas um é pelo Sistema Único de Saúde (SUS).
Leitos de UTI (Covid-19)
Os leitos estão divididos da seguinte forma, em números absolutos:
SUS municipal: 140 leitos, dos quais 140 estão ocupados (100%). Não há leito livre.
SUS estadual: 40 leitos, dos quais 39 estão ocupados (97,5%). Há 1 leito livre.
Particular: 223 leitos, dos quais 206 estão ocupados (92,4%). Há 17 leitos livres.
VÍDEOS: últimas notícias sobre a região de Campinas
Initial plugin text
Veja mais notícias da região no G1 Campinas

Ultimas Notícias

Médica sanitarista e ex-diretora de Saúde de Campinas, Maria Haydée morre aos 69 anos

Defensora da saúde pública, Haydée também atuou como presidente do Conselho Municipal...

Em um dia, Conexão Solidária arrecada 163 toneladas de alimentos nas regiões de Campinas e Piracicaba

Terceira etapa da campanha organizada pela EPTV e prefeituras ocorreu neste sábado. Doações serão destinadas às famílias em...

Operação toque de recolher fecha 12 estabelecimentos e lacra 1 em Campinas nesta sexta

Balanço divulgado neste sábado (17) pela prefeitura mostra que, de 18 de março, data em que as fiscalizações...

Acidente em Valinhos deixa 5 feridos e mobiliza bombeiros de três cidades

Colisão entre dois veículos ocorreu na Estrada dos Jequitibás. Vítimas, dentre elas uma mulher que estaria grávida, foram...

Covid-19: cresce em 27% o número de vacinas em fase final de estudos

A corrida para o desenvolvimento de vacinas contra Covid-19 teve um aumento de 27% em novos antígenos em etapa final de testes — a...
- Advertisement -