terça-feira, abril 13, 2021

Mogi Guaçu recua em decreto sobre restrições na pandemia e libera abertura de mercados e delivery; veja regras


Regras definidas pela prefeitura como ‘lockdown’ valem a partir desta terça (2). Mercados podem abrir das 6h às 19h, bancos foram liberados, e restaurantes terão dois períodos para entregas. Mogi Guaçu aplica restrição de circulação, a partir desta terça-feira
Reprodução/EPTV
Na véspera de aplicar restrição de circulação para tentar reduzir indicadores da Covid-19, Mogi Guaçu (SP) recuou no decreto e flexibilizou as regras válidas a partir desta terça-feira (2). Entre elas estão o aval para atendimento presencial por supermercados, desde que cumpridas uma série de exigências, além do funcionamento limitado do delivery por restaurantes e lanchonetes. Veja abaixo detalhes.
A administração também decidiu, após reunião entre representantes dela e do Departamento Regional de Saúde de São João da Boa Vista (DRS XIV), autorizar abertura de bancos e agências dos Correios.
Nesta tarde, a Justiça negou o pedido do Ministério Público para suspender as medidas da prefeitura indicadas no texto anterior, por considerar que não foi demonstrado abuso ou desproporcionalidade.
A cidade registra desde o início da pandemia 8.229 casos positivos, incluindo 175 mortes. Até o início da tarde, a Santa Casa registrava índice de 110% de ocupação nos leitos de UTI. Além disso, segundo a Secretaria de Saúde, dois pacientes com Covid-19 que precisam da estrutura aguardavam por vagas. Os dados indicam que há 14 pessoas internadas na UTI adulta e mais nove na UTI para Covid-19.
Como fica?
Supermercados, mercados, açougues, padarias e hortifrútis, que teriam pelo decreto anterior suspensão do atendimento presencial, podem funcionar das 6h às 19h, com limite de público em 40% e liberação de uma pessoa por família. Menores de 12 anos não podem entrar nos estabelecimentos, enquanto pessoas com deficiência têm direito a um acompanhante;
Restaurantes, lanchonetes e pizzarias podem trabalhar com entrega a domicílio duas vezes ao dia: no período de almoço, das 11h às 14h; e no de jantar, das 19h às 22h;
Funcionam normalmente: hospitais, postos de saúde, clínicas médicas de todas as especialidades (incluindo fisioterapia e odontologia), clínicas veterinárias, laboratórios, farmácias, agências bancárias, lotéricas, agências do INSS, agências dos correios, cartórios, postos de gasolina, atendimento domiciliar na área de saúde (incluindo cuidadores de idosos), atividade agrícola e de escoamento, de segurança privada e de transporte individual de passageiros (taxistas e motoristas de aplicativos).
Agência do Poupatempo: até 30% da capacidade de atendimento.
Transporte público: até 30% da lotação máxima dos veículos.
Oficinas mecânicas: portas fechadas e atendimento exclusivo a emergências.
Indústrias: funcionamento permitido somente caso a paralisação implique em danos de maquinário, equipamentos ou insumos perecíveis.
Hotéis: limitados a 40% da ocupação máxima.
Escolas e atividades religiosas: somente com transmissão online, não presencial.
Funcionam com entrega a domicílio: agropecuárias e fornecimento de gás.
Em nota, o prefeito, Rodrigo Falsetti (Cidadania), informou que autoridades de outros municípios manifestaram preocupação com deslocamentos desnecessários dos moradores de Mogi Guaçu diante das restrições que o governo chama de “lockdown”, expressão em inglês que, na tradução literal, significa confinamento ou fechamento total.
“Entendemos por bem promover adaptações ao texto original, sem comprometer o essencial, que é promover o isolamento neste momento tão difícil”, diz texto do chefe do Executivo.
Justiça nega pedido do MP
A Justiça de Mogi Guaçu negou nesta tarde o pedido liminar do Ministério Público para suspensão da restrição de circulação na cidade, a partir desta terça-feira, com base no primeiro decreto publicado pela prefeitura. Na decisão, o juiz da 2ª Vara Cível, Sergio Augusto Fochesato considera que, até o momento, não foi demonstrado abuso ou desproporcionalidade nas medidas sanitárias impostas.
O magistrado destaca que considerou a competência municipal para aplicar a medida, além de documentos que demonstram a incapacidade das redes pública e particular de saúde em absorver aumento de internações decorrentes da Covid-19.
Protesto
Durante a manhã, a cidade teve filas em comércios e serviços, além de um protesto contra as restrições anteriores. Os moradores foram em busca de atendimentos em agências bancárias, lotéricas e cartórios, principalmente na região central. Houve, também, aglomeração em mercados.
Initial plugin text
Veja mais notícias da região no G1 Campinas

Ultimas Notícias

Avião da Azul faz pouso de emergência no Galeão após piloto relatar fumaça a bordo

Dois passageiros que se sentiram mal durante a situação precisaram ser atendidos pelo...

DIG prende suspeito e apreende fios roubados que seriam trocados por drogas em Indaiatuba

Policiais civis também localizaram porções de entorpecentes, simulacro de revólver, faca e cerca de R$ 2,5 mil em...

Em 100 dias, rede municipal atende o equivalente a 11% da população de Campinas com suspeita de Covid-19

Percentual representa cerca de 133 mil pessoas que procuraram consulta médica em UBSs, UPAs ou nos hospitais mantidos...

Campinas abre agendamento da vacinação contra Covid-19 para maiores de 67 anos

Cadastro deve ser feito no site, onde será informado horário e local de aplicação. Cidade conta com cinco...

Banco de leite da Maternidade em Campinas atinge nível mais crítico da pandemia; veja como doar

Hospital tem estoque de 139 litros, volume 30,5% inferior aos 200 indicados como mínimo ideal, e reivindica doações....
- Advertisement -