segunda-feira, junho 14, 2021

Sem estoque para 39 medicamentos, Campinas promete reposição de 'mais da metade' em até um mês

Conselho de Saúde lista remédios para convulsão, hipertensão e diabetes como ausentes no almoxarifado. Administração argumenta que licitações são prejudicadas pela pandemia de Covid-19. O almoxarifado da Secretaria de Saúde de Campinas (SP) está sem estoque para 39 medicamentos distribuídos nos Centros de Saúde nesta terça-feira (8). Segundo o Conselho Municipal, dentre eles estão anticonvulsivantes, anti-hipertensivos, além de remédios para diabetes e depressão. Há, ainda, itens usados no chamado “kit covid”, conjunto de medicamentos sem eficácia para a Covid-19, mas defendido por grupos como suposto tratamento para a doença.
A Secretaria de Saúde afirma que “mais da metade dos itens” será reposta em até 30 dias, pois está agilizando licitações para restabelecer os estoques (leia a nota completa ao fim da reportagem).
No boletim mensal do Conselho Municipal de Saúde, publicado nesta terça, a entidade levantou que 47 medicamentos estavam em falta até o fim de maio. O número representava 16,85% de todo o estoque e era maior do que o registrado em abril, quando havia 37 remédios sem estoque.
O conselho aponta como mais urgentes para reposição:
Água para injeção
Ácido valproico 250mg/5ml solução oral (anticonvulsivante)
Amitriptilina 25mg (antidepressivo)
Clonazepam 2,5 mg/ml (anticonvulsivante)
Carvedilol 25 mg (anti-hipertensivo)
Enalapril 20 mg (anti-hipertensivo)
Gliclazida 30 mg (antidiabético)
Segundo o boletim do Conselho, outros 40 itens com estoque baixo, quando há menos de 100 unidades à disposição no almoxarifado.
A Secretaria de Saúde defende que que falta no almoxarifado ou estoque baixo não significam necessariamente que os medicamentos não estão nos Centros de Saúde, porque já podem ter sido distribuídos. Os moradores podem consultar a disponibilidade pela internet.
A pasta também afirma que alguns medicamentos podem ser retirados gratuitamente ou por preços menores por meio do Programa “Aqui tem Farmácia Popular”. “O paciente também pode solicitar ao seu médico que faça a substituição na receita por outro tratamento”.
Kit Covid?
Também não há estoque para a azitromicina, medicamento que ocasionalmente consta na lista do “kit covid”. Já a ivermectina aparece com estoque baixo no boletim do conselho. Para a entidade, existe relação entre essa carência e a prescrição para a Covid-19.
A Prefeitura de Campinas, que descarta o uso do kit na rede municipal porque segue as diversas evidências científicas que comprovam a ineficácia dos medicamentos para a Covid-19, pondera que azitromicina é indicada para outros tratamentos não relacionados ao coronavírus.
LEIA MAIS: ‘Kit covid é kit ilusão’: os dados que apontam riscos e falta de eficácia do suposto tratamento
O que diz a prefeitura
“A Prefeitura de Campinas informa que a cesta de Medicamentos do SUS Municipal é uma das mais completas entre as cidades brasileiras, com 157 medicamentos. Atualmente, há 39 em falta. A Prefeitura está agilizando licitações para restabelecer os estoques com a maior rapidez possível e a reposição de mais da metade dos itens será feita nos próximos 30 dias.
Alguns medicamentos podem ser retirados gratuitamente ou por preços menores por meio do Programa “Aqui tem Farmácia Popular” e o paciente também pode solicitar ao seu médico que faça a substituição na receita por outro tratamento.
Os processos de aquisição de medicamentos para a Rede Municipal de Saúde são realizados de acordo com a legislação e por licitações periódicas, para garantir o abastecimento. Nos últimos meses, um dos principais motivos para falta dos itens é a instabilidade do mercado, com escassez de matéria-prima e outros fatores relativos à pandemia. Estes problemas refletem nas licitações, com 75% com poucos interessados e um percentual razoável que, mesmo vencendo a licitação, atrasa a entrega dos medicamentos.
Importante ressaltar que falta no almoxarifado ou estoque baixo não significam necessariamente que os medicamentos não estão nos Centros de Saúde, porque já podem ter sido distribuídos. Para ver se um remédio está disponível em sua unidade, o munícipe pode consultar o endereço: https://remedios.campinas.sp.gov.br/. A lista com os remédios em falta em toda a rede é atualizada quinzenalmente no site da Secretaria Municipal de Saúde.
A Secretaria Municipal de Saúde dá transparência para todos os dados relativos ao estoque de medicamentos e envia periodicamente a relação ao Conselho Municipal de Saúde. Os dados de licitações para compra também estão públicos no Portal da Transparência.
Com relação ao medicamento Azitromicina é importante ressaltar que é indicado para outros tratamentos não relacionados à Covid-19. Além disso, a Secretaria informa que a demanda por medicamentos não corresponde a “automedicação” uma vez que no SUS os medicamentos só podem ser retirados com receita médica.”
VÍDEOS: Tudo sobre Campinas e região
Initial plugin text
Veja mais notícias da região no G1 Campinas

Ultimas Notícias

Projeto Guri abre inscrições para 12 cursos gratuitos de música em Pedreira

Jovens de 6 a 17 anos podem participar do programa, que inicia as...

Maria-fedida usa 'perfume' para atrair o parceiro

Cheiro característico exalado é usado como defesa, mas também possui feromônios importantes para a espécie na época da...

Vacina boa é a que chega até nós

O Brasil figura entre os países em que a vacinação contra Covid segue da forma mais lenta. Em um processo iniciado em 17 de...

Coronavírus: prefeituras da região de Campinas confirmam novos casos nesta segunda, 14 de junho

Veja números de pessoas infectadas e de óbitos pela doença em cada cidade. Máscara do modelo PFF2, considerada...

Entenda o que é bexiga neurogênica

O Doutor Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes é médico urologista, graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e doutorado pela Universidade...
- Advertisement -