sábado, fevereiro 27, 2021

Abstenção em meio à pandemia é a maior desde 1996

por Mario Braga, especial para o InfoMoney

O índice de abstenção na eleição de 2020 estava em 23,14% com mais de 99,79% das urnas apuradas. O porcentual é o mais alto em eleições municipais desde 1996, quando o ficou em 18,3%, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Fatores específicos na votação deste ano, como a pandemia do novo coronavírus, ajudam a explicar o movimento. 

Entre os cinco maiores colégios eleitorais do país, a taxa de abstenção variou entre entre 21,84% em Fortaleza (CE) e 32,79% no Rio de Janeiro (RJ). A abstenção é o porcentual do eleitorado apto que não votou.

O movimento já era esperado devido à Covid-19 e a consequente preocupação de eleitores em evitar aglomerações.

Uma hipótese é que a abstenção cresceu mais entre os mais idosos, que são mais vulneráveis à doença. Se confirmado, este comportamento pode ter favorecido candidatos como o Guilherme Boulos (PSOL-SP), que tem melhor desempenho entre eleitores de outras faixas etárias, destacou Ricardo Ribeiro, analista político da MCM Consultores.

“Mas esta é uma eleição atípica por conta da pandemia. Não se pode tomar estes números como uma tendência de longo prazo,” ponderou.

Além da pandemia, pela primeira vez, o TSE disponibilizou um aplicativo que permite que os eleitores justifiquem o voto. Nas cerca de 24 horas até o fim da votação, mais de três milhões de pessoas baixaram o aplicativo, em um total de 13 milhões de downloads, segundo o órgão. 

No entanto, eleitores enfrentaram instabilidade para justificar a ausência na votação devido à quantidade excessiva de acessos, de acordo com o presidente da Corte, o ministro Luis Roberto Barroso. O magistrado chegou a afirmar antes do fim da apuração que o nível de abstenção poderia chegar a 30%.

“Os níveis de abstenção foram inferiores a 25%, portanto, em plena pandemia, nós tivemos um índice de abstenção pouca coisa superior a de eleições passadas,” disse Barroso em entrevista coletiva no fim da noite de domingo.

Top 5

Enquanto houve aumento no nível de abstenções, o porcentual de votos em branco e nulos apresentou relativa estabilidade nas cinco cidades com o maior número de eleitores no país quando comparado com os números da última eleição municipal. 

Em São Paulo, maior colégio eleitoral do Brasil, a abstenção ficou em 29,30%, o índice de votos em branco em 5,87% e o de nulos em 10,11%, quando 99,92% das urnas estavam apuradas, segundo o TSE. No primeiro turno das eleições municipais de 2016, a abstenção na capital paulista foi de 21,84%, enquanto 5,29% do eleitorado votou em branco para prefeito e 11,35%, nulo.

No Rio de Janeiro, a abstenção foi de 32,79%, enquanto os votos em branco para prefeito somaram 6,54% do total apurados e os nulos 12,69%. Há quatro anos, 24,28% eleitores da capital fluminense não foram às urnas, 5,5% votaram em branco e 12,72% anularam o voto para prefeito.

Em Belo Horizonte, 28,34% do eleitorado não votou, 4,25% votaram em branco e 6,86% anularam o voto para prefeito. Em 2016, 21,66% dos eleitores da capital de Minas Gerais se abstiveram de votar, enquanto entre os que votaram para prefeito 7,20% apertaram a tecla “branco” e 14,28% anularam.

Em Salvador, 26,46% do total de eleitores não compareceram às zona eleitorais neste domingo. A porcentagem de votos brancos ficou em 3,36% a de nulos em 9,61%. Nas últimas eleições municipais, a capital baiana registrou uma taxas de abstenção de 21,25%, de votos para prefeito em branco de 3,17% e de votos nulos de 10,30%.

Em Fortaleza, 21,84% dos eleitores se abstiveram, 3,53% votaram em branco e 6,48% anularam o voto. Há quatro anos, 17,04% do eleitorado da capital cearense se abstiveram de votar, enquanto 2,52% votaram em branco para prefeito e 5,86% anularam o voto, segundo dados do TSE. 

Os níveis de abstenção nas eleições brasileiras tendem a girar entre 20% e 25% e, portanto, as variações registradas neste ano não são expressivas dado o contexto da pandemia em que as disputas ocorreram, ressaltou o professor da Fundação Getúlio Vargas Marco Antônio Carvalho Teixeira. 

[Uma abstenção muito alta] não tira a legitimidade dos eleitos, ainda mais no contexto em que se deu essa eleição. O importante é que os debates aconteceram, a campanha correu normalmente apesar das dificuldades,” afirmou o cientista político.

Os eleitores que não justificaram o voto neste domingo têm os próximos 60 dias para quitar a situação com a Justiça Eleitoral. É possível fazer a justificativa pelo site do TSE, pelo aplicativo ou em um cartório eleitoral. Quem perder o prazo, deverá pagar uma multa de R$ 3,51 por cada turno.

Abstenção Nacional

The post Abstenção em meio à pandemia é a maior desde 1996 appeared first on InfoMoney.

Ultimas Notícias

Câmeras de segurança registram ação de suspeitos durante furto a loja de informática em Itapira

Ação da dupla causou um prejuízo de R$ 6 mil, segundo a proprietária....

Vizinhança se mobiliza para ajudar moradores do Jardim Samambaia após chuva forte em Campinas

Pelo menos 18 famílias ficaram desabrigados após a chuva que atingiu a cidade na sexta-feira (26), segundo a...

Covid-19: família de idoso registra boletim de ocorrência após falha durante vacinação em Vinhedo

Moradora relatou que enfermeira inseriu seringa vazia no braço do homem. Profissional de saúde foi ouvida na delegacia...

Campinas estuda acordo emergencial a 2 meses para fim de contrato do transporte público

Prefeitura avalia melhor formato para prestação do serviço após 29 de abril. Após ficar suspensa, nova licitação teve...

Covid-19: 91% dos brasileiros acreditam na eficácia das vacinas

Um estudo realizado pelo Instituto Locomotiva em parceria com a empresa de programa de fidelização Dotz aponta que 91% dos brasileiros acreditam que as...
- Advertisement -