quinta-feira, fevereiro 25, 2021

Governo intensifica negociações para pôr de pé programa social

Sem ter ainda uma resposta ao fim do auxílio emergencial, lideranças do governo e integrantes da equipe econômica intensificaram ontem as negociações com parlamentares para tentar colocar de pé ainda este ano uma solução para criar o novo programa social do governo, que precisará envolver medidas de corte de gastos.

A ideia é que proposta seja levada ainda esta semana ao presidente Jair Bolsonaro. Após a frustração pela ausência de grandes avanços na agenda fiscal com o fim do primeiro turno das eleições municipais, os principais articuladores tentam preparar o terreno para dar um sinal firme da direção das políticas na próxima semana, quando as eleições estarão de fato liquidadas com o fim do segundo turno.

Segundo apurou o Estadão/Broadcast, já há consenso para incluir no parecer do relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) emergencial, senador Márcio Bittar (MDB-AC), os “gatilhos” de contenção de despesas obrigatórias para manter a sustentabilidade do teto de gastos (que limita o avanço das despesas à inflação) e a previsão de corte em isenções e subsídios tributários – uma política que deve consumir R$ 307,9 bilhões no ano que vem, sem mudanças.

Nos gatilhos, o foco central está nos gastos com pessoal. Nos incentivos tributários, a proposta é fazer um corte de alcance geral, excetuando apenas o Simples Nacional (regime de tributação diferenciada para micro, pequenas e médias empresas) e os benefícios regionais. Por isso, o porcentual de corte das renúncias em outras áreas terá de ser um pouco maior, em torno de 20% a 25%.

Embora Bolsonaro tenha ameaçado dar “cartão vermelho” a qualquer integrante do governo que fale em congelar aposentadorias e pensões, a chamada “desindexação” (que desobriga a concessão de reajustes para manter o poder de compra) voltou à mesa de negociações com o Congresso. Como mostrou o Estadão, está em debate o congelamento de benefícios acima de um salário mínimo (hoje em R$ 1.045), medida que foi apelidada de “semidesindexação”, mas ainda não há consenso nem foi batido o martelo.

A retomada do debate das medidas de corte de gastos – interditado durante o período mais crítico das campanhas municipais – vem em meio à divisão entre governo e parlamentares sobre a necessidade de prorrogação da auxílio emergencial em 2021, em função não só da falta da solução para o novo programa social, mas também porque a pandemia tem dado sinais de recrudescimento. O ministro da Economia, Paulo Guedes, tenta barrar essa prorrogação e tem dito não ver ainda evidências de uma segunda onda da doença no Brasil.

Melhores da Bolsa 2020
Cadastre-se gratuitamente para participar do encontro entre os CEOs das melhores empresas listadas na Bolsa e gestores de grandes fundos, entre os dias 24 e 26 de novembro:

Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

The post Governo intensifica negociações para pôr de pé programa social appeared first on InfoMoney.

Ultimas Notícias

SP: pessoas acima de 60 anos podem receber doses remanescentes de vacinas

Dada a escassez de imunizantes na atual campanha de imunização contra Covid-19, cada dose de imunizante é extremamente valorizada...

Unicamp lança aplicativo e site para explicar temas relacionados à saúde para adolescentes

Projeto foi desenvolvido por professores e alunos e busca abordar de forma simples problemas comuns enfrentados pelos jovens....

Campinas registra mais 21 mortes por Covid-19 e chega a 1.857; casos ultrapassam 69 mil

Dados divulgados pela prefeitura na tarde desta quinta (25) indicam mais 667 moradores infectados. Material de realização de...

Faculdade de Campinas promove palestra gratuita online sobre Alzheimer

Bate-papo com professores da área de saúde da instituição acontece nesta sexta-feira, às 17h30. A Faculdade Anhanguera...

Campinas tem 84,7% de UTIs Covid ocupadas e SUS municipal com vagas só para grávidas

Balanço aponta que 239 das 282 estruturas das redes pública e privada estão ocupadas; há 43 vagas exclusivas...
- Advertisement -