sábado, março 6, 2021

Venda de ações leva polêmica ao BNDES

Prestes a assumir uma cadeira no Conselho de Administração do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Arthur Koblitz, colocou em xeque a venda de R$ 49 bilhões em ações da carteira da instituição, em 2020, em plena pandemia da covid-19 e abriu uma crise dentro do banco.

Presidente da Associação dos Funcionários do BNDES, o economista calculou em R$ 12,2 bilhões o prejuízo com as operações. A conta leva em consideração todos os ativos desinvestidos, mas as perdas foram concentradas nas vendas de participações na Petrobras (R$ 1,3 bilhão), Vale (R$ 7,5 bilhões), Suzano (R$ 2,5 bilhões) e Marfrig (R$ 800 milhões).

Em editorial publicado em semanário na sua página na internet, a associação diz que foi um erro estratégico da diretoria e do conselho de administração do BNDES vender quase 50 bilhões de ações num período de crise e que o problema vai ficar ainda mais “escancarado”.

Para Koblitz, os regulamentos e normativos do banco de fomento foram alterados para permitir a aceleração das vendas das ações do BNDESPar, o braço acionário da instituição, sem apresentar uma estratégia clara para o uso do dinheiro.

“É um escândalo vender ação no meio da crise com o mercado em baixa. Para fazer o quê? “, critica Koblitz, que não descarta uma ação junto ao Tribunal de Contas da União (TCU). Ele diz que o ex-presidente do banco, Joaquim Levy, que foi pressionado a fazer esses desinvestimentos, argumentava que era preciso definir antes uma estratégia para o uso dos recursos.

Em reação, a diretoria executiva do BNDES, chefiada pelo presidente Gustavo Montezano, mandou divulgar a todos os funcionários uma nota de repúdio acusando Koblitz de atacar de forma infundada a honra e a reputação dos membros da diretoria executiva e do conselho de administração. “Repudiamos as insinuações irresponsáveis sobre a governança e os controles internos do BNDES”, diz a nota.

O barulho feito pelo mais novo integrante do CA, eleito com 73% dos votos, depois de uma disputa legal sobre as regras de participação nas eleições, ampliou a polarização dentro do banco e já chamou também a atenção do TCU. Segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo, o TCU está acompanhando com lupa as operações de desinvestimento do BNDESPar e deve pedir mais informações ao banco.

O BNDES disse que todas as ações foram vendidas com o valor próximo da máxima histórica, depois de avaliação criteriosa pelos canais de governança da instituição. Para o BNDES, esse tipo de cálculo é incorreto tecnicamente porque faz uma comparação olhando pelo retrovisor. O banco diz que as operações foram suspensas entre março e julho, no pico da pandemia, e que elas só recomeçaram a partir de agosto, quando a bolsa de valores já batia mais de 100 mil pontos.

Pelos cálculos do BNDES, do total de R$ 48,3 bi desinvestidos entre dezembro de 2019 e o final de 2020, R$ 27 bilhões foram realizados antes do início das grandes quedas do mercado financeiro em 2020. A partir de agosto, foram vendidas mais R$ 21,3 bilhões em ações da AES Tietê, Gerdau, Vale, Hidrovias e Suzano. Já pelos cálculos de Koblitz as maiores perdas (R$ 7,5 bilhões) foram justamente com as ações da Vale, durante a pandemia.

Volatilidade

O banco avalia que, se não fossem os desinvestimentos, a carteira de ações teria sofrido maior volatilidade. A queda máxima estimada observada em 2020 (entre 20/01/2020 e 18/03/2020) da carteira efetiva foi de R$ 44,5 bilhões. “Caso os desinvestimentos não tivessem sido realizados, a perda máxima estimada seria de R$ 61 bilhões”.

O BNDES alega que a base normativa utilizada para as operações de desinvestimentos foi previamente apresentada ao TCU e os comentários do órgão de controle foram devidamente incorporados aos normativos vigentes.

O dinheiro da venda está em caixa e deve facilitar a devolução dos empréstimos do Tesouro feitos ao banco em 2021. O Ministério da Economia pediu a devolução de R$ 100 bilhões em 2021 para reduzir a dívida pública, que está em alta por causa dos gastos com a pandemia. O valor da devolução não está decidido ainda. O banco deve cerca de R$ 195 bilhões à União.

Na semana passada, o TCU deu um prazo de 60 dias para o Ministério da Economia montar um cronograma de devolução. Segundo o banco, o valor da devolução não foi decidido, mas a decisão do TCU “muda a natureza” do procedimento ao dizer que é uma obrigação fazê-la e não avaliar a sua conveniência. Já a associação diz que o banco se absteve de se pronunciar no processo do TCU.

Onde Investir 2021**

**Baixe de graça o ebook e participe do evento com os melhores especialistas do mercado:

Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

The post Venda de ações leva polêmica ao BNDES appeared first on InfoMoney.

Ultimas Notícias

Motociclista morre após bater em carro na estrada da Rhodia, em Campinas

Samu constatou o óbito do homem de 42 anos no local; condutor do...

Nº de ocorrências na delegacia eletrônica sobe 47% na região de Campinas durante a pandemia

Dados da Secretaria de Segurança Pública mostram que foram 134 mil registros pela web, o que representa 34,3%...

Procura por teste de detecção de anticorpo aumenta 2.000%

Entre outubro de 2020 e fevereiro de 2021 houve um aumento de 2.000% na procura por testes de detecção de anticorpos neutralizantes contra o...

Fase vermelha: fiscalização multa dois estabelecimentos e interdita academia em Campinas

Operação ocorre na noite de sexta-feira (5) e visitou 17 comércios no Centro e Cambuí. Prefeitura diz que...

'Gatos' de energia em Piracicaba e Campinas abasteceria 27 hospitais durante um ano, diz companhia

Crescimento de fraudes na pandemia foi de 138,47% em Piracicaba, e de 14,7% em Campinas segundo CPFL. ...
- Advertisement -