terça-feira, abril 13, 2021

Brasil comprou vacinas a US$ 3,16; Índia e Bangladesh têm venda privada

6 de março, 11h38: O Brasil tem negociado a compra de vacinas da Pfizer, da Janssen, da Moderna e do laboratório indiano Bharat Biotech para cumprir a promessa, feita pelo ministro da Saúde Eduardo Pazuello, de vacinar toda a população apta a receber o imunizante até o fim do ano. A vacinação tem sido errática até agora: faltam doses em diversas cidades, ampolas destinadas a indígenas foram esquecidas em um depósito, frascos para o Amazonas acabaram no Amapá.

A ideia de ampliar os fornecedores de vacinas é mais do que bem-vinda, mas existem impasses de diferentes tipos para viabilizar as doses das quatro farmacêuticas: o acordo de comercialização com a Pfizer e a Janssen, cuja vacina experimental testei como voluntária, deve ser assinado nos próximos dias; as tratativas com a Moderna mal começaram; e no caso da indiana Covaxin falta o básico: a empresa nem apresentou resultados dos ensaios clínicos de fase 3 em outros países nem pediu autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária para realizar testes com brasileiros. Por ora temos, portanto, a vacina Oxford/AstraZeneca, a ser desenvolvida no futuro pela Fiocruz, no Rio de Janeiro, e a CoronaVac, da chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo.

A viabilização dessas duas vacinas, a despeito de movimentos negacionistas de importantes autoridades, nos permitiu até agora que 7,67 milhões de pessoas recebessem pelo menos a primeira dose daquela que é a única saída para sairmos desta pandemia. Os custos de cada imunizante são simplórios: US$ 3,16 no caso da AstraZeneca em parceria com a Fiocruz, US$ 5 da mesma vacina quando ela foi comprada diretamente do Instituto Serum, na Índia, e US$ 10,30 da CoronaVac adquirida do laboratório Sinovac. Os preços de cada uma foram compilados pelo Unicef, o fundo das Nações Unidas para a Infância.

A entidade listou ainda países que tem adquirido imunizantes para o mercado privado. São exceções. Como o enfrentamento do novo coronavírus é uma estratégia coletiva, os governos têm tomado a linha de frente na compra e aplicação de imunizantes em seus nacionais. O Brasil prevê a aquisição de doses para clínicas privadas desde que 100% delas sejam doadas para o SUS enquanto não forem vacinados todos os brasileiros que compõem o grupo prioritário, algo em torno de 77 milhões de pessoas. Quando esta população estiver blindada, ainda assim os particulares deverão doar ao Sistema Único de Saúde 50% de todas as vacinas que comprar.

Por ora, diz o Unicef, há previsões de venda para o mercado privado de Bangladesh – US$ 13,27 a dose do imunizante Oxford/AstraZeneca contra US$ 4 a dose comprada pelo governo local – e da Índia, com estimativa de US$ 6 a 8 dólares a dose particular, enquanto a ampola adquirida do Instituto Serum foi fechada a US$ 2,72.

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Avião da Azul faz pouso de emergência no Galeão após piloto relatar fumaça a bordo

Dois passageiros que se sentiram mal durante a situação precisaram ser atendidos pelo...

DIG prende suspeito e apreende fios roubados que seriam trocados por drogas em Indaiatuba

Policiais civis também localizaram porções de entorpecentes, simulacro de revólver, faca e cerca de R$ 2,5 mil em...

Em 100 dias, rede municipal atende o equivalente a 11% da população de Campinas com suspeita de Covid-19

Percentual representa cerca de 133 mil pessoas que procuraram consulta médica em UBSs, UPAs ou nos hospitais mantidos...

Campinas abre agendamento da vacinação contra Covid-19 para maiores de 67 anos

Cadastro deve ser feito no site, onde será informado horário e local de aplicação. Cidade conta com cinco...

Banco de leite da Maternidade em Campinas atinge nível mais crítico da pandemia; veja como doar

Hospital tem estoque de 139 litros, volume 30,5% inferior aos 200 indicados como mínimo ideal, e reivindica doações....
- Advertisement -