sábado, abril 17, 2021

Brasil supera a marca de 25 milhões de doses contra Covid-19 aplicadas

O Brasil já tem mais de 25 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 administradas. O país ultrapassou a marca nas últimas 24 horas e até agora aplicou 25.293.644 injeções contra a doença. O número equivale a 19.762.485 de pessoas que receberam a primeira dose em todo o território nacional e as 5.531.159 restantes, à administração da segunda dose.

Isso significa que 9,4% dos brasileiros já receberam ao menos uma dose da vacina contra a Covid-19. Ao considerar aqueles totalmente imunizados, a taxa cai para 2,6%.

São Paulo continua na liderança do ranking dos estados com o maior número de injeções administradas: 6.646.984. Em seguida está Minas Gerais (2.297.840) e Bahia (2.060.848). No pé da lista estão Roraima (62.424 doses aplicadas), Acre (71.609) e Amapá (72.817).

Em números proporcionais, SP cai para a quinta posição, com 10,7% da população imunizada. A liderança dessa classificação é do Mato Grosso do Sul (12,5%), seguido da Bahia (11,6%) e Rio Grande do Sul (11,1%). Em último lugar estão Rondônia (6,2%), Maranhão (6,1%) e Mato Grosso (5,7%).

No mesmo período, 78 dias após o início da campanha de imunização, os Estados Unidos tinham 78,6 milhões de doses administradas, segundo dados da plataforma Our World in Data, ligado à Universidade Oxford.  Um número três vezes maior que o brasileiro. O grande empecilho para a vacinação contra a Covid-19 deslanchar de vez no Brasil é a escassez de vacinas.

Continua após a publicidade

O governo federal fechou acordos para a compra de vacinas com sete fornecedores diferentes: Instituto Butantan, Fiocruz, Covax Facility, Pfizer, Janssen, Precisa Medicamentos e União Química. Mas apenas dois imunizantes estão em uso no país atualmente: a CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan, e a Covishield, nome oficial da vacina de Oxford-AstraZeneca, que por aqui é produzida pela Fiocruz.

Os acordos com a Pfizer e Janssen foram oficializados apenas recentemente e a maior parte das entregas ficou para o segundo semestre. A Covaxin, vacina desenvolvida pela indiana Bharat Biotech, distribuída no Brasil pela Precisa Medicamentos, e a vacina russa Sputnik V, de responsabilidade da União Química, ainda não estão autorizadas no Brasil. Para piorar, houve atraso na entrega das doses da Fiocruz.

O cenário de entregas deve ser menos nebuloso apenas no segundo semestre quando a Fiocruz começará a produzir doses 100% em solo nacional da vacina de Oxford e quando haverá o envio de 38 milhões de doses do imunizante da Janssen — que permite a imunização em uma única etapa e a entrega da maior parte de vacinas da Pfizer (86 milhões de doses).

Confira abaixo os números da vacinação no Brasil:

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Médica sanitarista e ex-diretora de Saúde de Campinas, Maria Haydée morre aos 69 anos

Defensora da saúde pública, Haydée também atuou como presidente do Conselho Municipal...

Em um dia, Conexão Solidária arrecada 163 toneladas de alimentos nas regiões de Campinas e Piracicaba

Terceira etapa da campanha organizada pela EPTV e prefeituras ocorreu neste sábado. Doações serão destinadas às famílias em...

Operação toque de recolher fecha 12 estabelecimentos e lacra 1 em Campinas nesta sexta

Balanço divulgado neste sábado (17) pela prefeitura mostra que, de 18 de março, data em que as fiscalizações...

Acidente em Valinhos deixa 5 feridos e mobiliza bombeiros de três cidades

Colisão entre dois veículos ocorreu na Estrada dos Jequitibás. Vítimas, dentre elas uma mulher que estaria grávida, foram...

Covid-19: cresce em 27% o número de vacinas em fase final de estudos

A corrida para o desenvolvimento de vacinas contra Covid-19 teve um aumento de 27% em novos antígenos em etapa final de testes — a...
- Advertisement -