sábado, março 6, 2021

Butantan começa produção de 8,6 milhões de doses da CoronaVac

O governo de São Paulo informou neste sábado, 6, que começou a produção de 8,6 milhões de novas doses da CoronaVac, imunizante produzido pelo Instituto Butantan e desenvolvido pela farmacêutica chinesa Sinovac. Os 5.400 litros de insumos para a vacina chegaram da China na noite de quarta-feira, 3, e passam agora por processos de envase, rotulagem e inspeção das ampolas antes de serem distribuídos para a continuidade do Plano Nacional de Imunizações (PNI).

De acordo com o Butantan, a previsão é de que essas doses estejam disponíveis a partir do dia 23 de fevereiro. Um novo lote do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), matéria-prima para a fabricação dos biofármacos, deve desembarcar no Brasil na próxima quarta-feira. Com ele, serão desenvolvidas mais 8,7 milhões de doses. Até o momento, a CoronaVac é a principal vacina anti-Covid utilizada em território nacional. Até esta sexta-feira 5, 9,8 milhões de doses já haviam sido disponibilizadas para o PNI.

É esperada para a noite de hoje uma aeronave trazendo o primeiro lote de IFA para a produção da Covishield no Brasil, desenvolvida a partir de uma parceria entre a Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca. Um montante de dois milhões de ampolas do fármaco de Oxford havia sido importado da Índia após atrasos burocráticos. A iniciativa era uma resposta do governo Bolsonaro ao fato de o governador de São Paulo João Dória (PSDB) ter saído na frente no embate político contra o governo federal e vacinado, em 17 de janeiro, a primeira brasileira na pandemia, a enfermeira Monica Calazans, instantes após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ter autorizado o uso emergencial da CoronaVac. A vacina de Oxford será produzida no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), vinculada ao Ministério da Saúde.

O PNI estabelece que 100 milhões de doses serão fornecidas pelo Butantan aos brasileiros, 100,4 milhões de doses da vacina da Fiocruz até junho e em torno de 110 milhões de ampolas da Covishield, de produção nacional, entre agosto e dezembro. Há memorandos de entendimento, que não significam obrigatoriedade de compra, das vacinas na Janssen (38 milhões de doses), Pfizer (70 milhões), Bharat Biotech, Moderna e do Instituto Gamaleya, da Rússia. A vacina do Gamaleya, a Sputnik V, cuja eficácia ultrapassou a casa dos 91%, levou a Anvisa a alterar as regras para aprovação de imunizantes no Brasil e dispensou a obrigatoriedade de se realizar, em território nacional, a fase três de estudos clínicos, quando um grande número de voluntários testa a eficácia e a segurança do fármaco.

Com isso, abriu caminho para que o Ministério da Saúde possa comprar também dos russos e ampliar o universo de vacinas disponíveis. Na última sexta-feira 5, a pasta comandada pelo general Eduardo Pazuello anunciou que pretende adquirir 10 milhões de doses da Sputnik V e 20 milhões de ampolas da Covaxin, desenvolvida pela indiana Bharat Biotech.

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Motorista de serviço de caronas por aplicativo é esfaqueada durante roubo em Campinas

Veículo da vítima foi roubado durante crime; ferimento não foi grave, diz registro policial. Uma motorista de...

Justiça autoriza São José dos Campos a permanecer na fase laranja

O  Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) atendeu a um pedido da prefeitura de São José dos Campos para manter a cidade do...

Últimas notícias de coronavírus na região de Campinas em 6 de março de 2021

Veja a atualização em cada município da área de cobertura do G1. Confira as últimas notícias sobre o...

Coronavírus: prefeituras da região de Campinas confirmam novos casos neste sábado, 6 de março

Veja números de pessoas infectadas e de óbitos pela doença em cada cidade. Máscara cirúrgica usada contra o...

Artistas de Indaiatuba participam da Virada Cultural Online de SP neste sábado

Evento da Secretaria de Cultura do estado tem parceria com a cidade e contará com 13 horas de...
- Advertisement -