domingo, maio 16, 2021

Carta ao Leitor: O direito de ir e vir

A pandemia do novo coronavírus é um dos acontecimentos mais relevantes e trágicos da recente história da humanidade. Já são 3 milhões de mortes em todo o mundo, mais de 360 000 apenas no Brasil. Os danos da Covid-19, do ponto de vista das famílias, do cotidiano e do compulsório freio econômico, podem ser comparados aos períodos de guerra. Pior: ela provoca efeitos imediatos, no aqui e agora, mas afetará também o futuro. Entre as várias mudanças aceleradas pelo insidioso vírus, e que muito provavelmente se prolongarão durante um bom tempo, está a dificuldade de ir e vir, como fazíamos antes, naturalmente. Cresce, globalmente, uma ideia: a exigência de algum tipo de prova de vacinação — são aplicativos, pulseirinhas e documentos que funcionariam como um “passaporte de imunidade”. Há experiências concretas em Israel, Estados Unidos, Reino Unido e Japão, e em outros países, como mostra a reportagem da página 50. É iniciativa que, a um primeiro olhar, pode soar discriminatória, ao apartar os vacinados daqueles que não receberam nenhuma dose de imunizante. Não há, na verdade, nenhuma segregação imposta pela ciência. É apenas uma maneira de controlar o contágio, em nome de todos. Trata-se, portanto, de instrumento necessário. É um tipo de controle que já acontece com outras enfermidades, como a febre amarela (sem a apresentação da papeleta que confirme a proteção contra o mosquito não se entra em nações tão díspares do ponto de vista ideológico como Cuba e Colômbia, por exemplo).

No Brasil, infelizmente, a possibilidade de deslocamento atrelado à imunização maciça parece distante, com uma média móvel de mortes, em relação aos sete dias anteriores, de mais de 3 000 pessoas. Não ajuda, também, o ritmo demasiadamente lento do programa de vacinação, que atingiu apenas 11,4% da população. Há, ainda, a suposta agressividade de uma cepa brasileira que saiu do Amazonas — e, não por acaso, nesta semana o governo francês proibiu o pouso de todos os voos que tenham passado pelo Brasil. Para piorar, o Congresso lida com uma CPI, imposta pelo STF, que em nada ajudará o Poder Executivo a corrigir seus erros — lamentáveis e, francamente, inaceitáveis — em relação ao combate da pandemia. Caso a CPI caminhe, haverá imenso ruído político, mas pouco efeito prático. O país precisa, para retomar a relevância internacional e a autoestima, acelerar a aplicação de doses das vacinas, qualquer vacina, associada ao distanciamento social e ao uso de máscara. Apurar responsabilidades sobre a pandemia agora só vai tumultuar um processo que, por falta de maturidade das autoridades envolvidas, já tem sido demasiadamente turbulento. Só com foco no combate ao vírus é que o Brasil conseguirá sair desta crise e retomar o crescimento econômico. É o que todos desejamos.

Publicado em VEJA de 21 de abril de 2021, edição nº 2734

Ultimas Notícias

Homem é atropelado e morre ao tentar atravessar Rodovia Santos Dumont, em Indaiatuba

De acordo com a Polícia Militar Rodoviária, vítima empurrava uma bicicleta quando foi atingida pelo veículo, que...

Estudante é morta a facadas pelo companheiro em Santa Bárbara d'Oeste

Janaína Amorim Pereira da Silva, 24 anos, foi encontrada morta neste domingo (16) pela mãe e irmã; suspeito...

Vacinação: 87% dos brasileiros de 70 a 79 anos receberam ao menos uma dose

A vacinação contra a Covid-19 de pessoas com idades entre 70 e 79 anos chegou a 87,5% dos brasileiros. O quantitativo animador, porém, diz...

Superlaboratório Sirius 'abre as portas' ao público com visita virtual guiada nesta segunda

Evento começa às 10h e apresenta detalhes da maior estrutura científica do Brasil, instalada em Campinas (SP). Acelerador...

Com destaque no setor de serviço, região de Campinas inicia semana com 764 vagas de emprego

Levantamento do G1 mostra como se candidatar para postos de trabalho em 11 cidades. Em Hortolândia, há 120...
- Advertisement -