segunda-feira, abril 12, 2021

Carta ao Leitor: Prova de resistência

Referência mundial em estudos sobre a resiliência, que pode ser definida como a arte de resistir a pressões para superar problemas, o escritor e neuropsiquiatra francês Boris Cyrulnik prega que os determinismos humanos são de curto prazo. “Os sofrimentos nos obrigam a metamorfosear-nos e nunca perdermos a esperança de mudar a maneira de viver”, afirma. Na pandemia, essa capacidade de resistência tem sido testada ao limite na grande maioria dos países — e, em especial, no Brasil, que ocupa a trágica e vergonhosa posição de líder internacional em mortes por Covid-19 (com menos de 3% da população global, foi responsável por 25% de óbitos na semana passada e segue batendo tristes recordes). Agora, o pesadelo da doença se materializa por aqui na forma de uma versão estendida e mais cruel, obrigando a todos nós a metamorfosear-nos. Em setembro de 2020, quando o país ensaiava uma reabertura das atividades e uma volta à vida normal após meses críticos, uma reportagem de capa de VEJA baseada em um levantamento do Instituto Locomotiva mostrava um certo realismo esperançoso do brasileiro: via-se no horizonte alguma melhora, mas poucos acreditavam em uma saída rápida da crise. De um lado, um em cada cinco entrevistados (22%) achava que a pandemia estava no final, e 41% esperavam uma virada na economia já em 2021. Do outro, 65% diziam que a crise ainda estava no meio e 49% esperavam melhora só em 2022.

Covid 19 e o momento atual

Hoje, o clima de desolação atingiu um pico, acompanhando o absurdo ritmo de evolução da doença. Um estudo exclusivo encomendado por VEJA ao Instituto Paraná Pesquisas quantificou o sentimento geral dos brasileiros em meio ao atual estágio de contaminação e mortes, tema de reportagem que começa na pág. 56 desta edição. De acordo com o levantamento, 80,4% acham que a crise está demorando mais do que esperavam e 73,4% dizem que o número de óbitos é maior do que imaginavam. Como não poderia deixar de ser, as cenas diárias de terror em hospitais abarrotados e as filas nas UTIs tiram o sono da maioria da população: quase a metade (48%) respondeu que a maior preocupação é perder um ente querido para a Covid-19 — o porcentual é muito maior do que o daqueles que temem ficar sem emprego (7,8%). É desolador constatar que, em mais de um ano assolado pelo coronavírus, o país ainda não aprendeu a definir prioridades no combate à doença e continua perdendo tempo em debates sobre a falsa dicotomia entre saúde e economia. Principal responsável por essa confusão, Jair Bolsonaro custou a se converter em um defensor das vacinas, demora que agravou o desastre sanitário e atrapalhou a retomada do crescimento econômico. Quanto à necessidade de políticas coordenadas de isolamento social, no entanto (um remédio amargo, mas vital para frear a atual escalada da doença), o presidente ainda emite sinais erráticos e politiza tal decisão. Não é hora de criar polêmicas para manipular eleitores. O Brasil, de uma vez por todas, não pode mais cometer equívocos na luta contra a Covid-19.

Publicado em VEJA de 31 de março de 2021, edição nº 2731

Ultimas Notícias

Ciclista fica ferido após ser atingido por moto e arremessado em Campinas

Acidente aconteceu na tarde deste domingo (11), na Avenida John Boyd Dunlop. Homem...

Indaiatuba abre inscrições para apresentações culturais virtuais; artistas receberão R$ 750

Interessados precisam ter 18 anos ou mais e apresentar comprovante de endereço fixo na cidade. Materiais selecionados serão...

PATs da região de Campinas ofertam 324 vagas de emprego nesta segunda-feira; veja cargos

Relação inclui postos para diversos níveis de escolaridade e oportunidades exclusivas para PCDs. Em virtude da pandemia, unidades...

Moto fica partida após condutor atingir traseira de carro na Bandeirantes, em Campinas

Acidente foi na noite de sábado (10), em pista norte. Motociclista teve lesões graves, diz polícia. Moto partiu...

Covid-19: ação em Campinas lacra bar com 60 clientes e coberto por lona para 'disfarçar' abertura

Ação conjunta da Guarda e PM no Jardim São Domingos ocorreu na noite de sábado (10), segundo prefeitura....
- Advertisement -