sábado, junho 19, 2021

Covid-19: Boeing decide não instalar purificadores de ar em seus aviões

A empresa de avião Boeing testou dois purificadores de ar, dos mesmos amplamente utilizados em escolas para o combate contra a Covid-19, para testar a qualidade em eliminar os germes de superfícies e constatou que nenhum era eficaz o suficiente para instalar em seus aviões comerciais. Em relatório, a empresa afirmou que os purificadores não são eficientes no combate contra o coronavírus e outros microrganismos devido ao fato de que “a ionização do ar não demonstrou eficácia significativa na desinfecção”. 

As empresas responsáveis pela fabricação dos purificadores afirmam que eles emitem íons carregados, ou “oxigênio ativado”, que inativam as bactérias e vírus do ar. A Boeing atestou a eficácia apenas em superfícies e, embora o objetivo da instalação do filtro seja combater o novo coronavírus, outro vírus foi usado como “substituto” por motivos de segurança. 

O estudo feito pela empresa foi citado em uma ação federal no estado de Maryland, Estados Unidos, movida por um consumidor contra a empresa Global Plasma Solutions, fabricante da tecnologia de “ionização bipolar de costura” que, segundo porta-voz da Boeing, foi testada pelos engenheiros da companhia.  

A ação afirma que a GPS faz afirmações falsas e enganosas a respeito do seu produto e que eles “não correspondem às condições do mundo real”. Em resposta, o porta-voz da empresa disse que o processo é infundado, enganoso e que haverá uma forte resposta nos tribunais, acrescentando ainda que os estudos da Boeing foram considerados inconclusivos. Em documentos judiciais protocolados para rejeitar a ação, a GPS diz ainda que “não houve em momento algum uma única declaração falsa ou enganosa a respeito de suas mercadorias”. 

O processo movido no tribunal utiliza-se ainda de uma investigação feita nos EUA de que mais de duas mil escolas no país utilizaram dinheiro federal para comprar os purificadores com a tecnologia de íons. Em abril, um estudo realizado pela revista científica The Lancet afirmou que tais tecnologias tinham eficiência “muitas vezes não comprovadas”. 

A Boeing disse ainda que a tecnologia de íons não tem respaldo científico o suficiente como outros métodos de purificação, como desinfecção química, ultravioleta e térmica e filtros HEPA, todos esses utilizados pela companhia. A polêmica tem chamado a atenção de escolas espalhadas pelos Estados Unidos. Um superintendente da Califórnia, inclusive, citou o processo e desligou mais de 400 aparelhos da GPS no estado.  

Para se defender, a Global Plasma Solutions citou outro estudo realizado semanas antes por um laboratório terceirizado. Nele, dois dispositivos da empresa foram testados e agora são utilizados por outra empresa de avião para purificar seus veículos. O teste consistiu em analisar os efeitos dos ionizadores no novo coronavírus quando em superfícies de alumínio e, após 30 minutos, a diminuição média do vírus era de 99%.  

Já o estudo da Boeing cita um relatório na qual a GPS afirma que 99,68% das bactérias foram eliminadas do ambiente em apenas 15 minutos. O registro, porém, analisou as bactérias presentes no ar, e não em superfícies. Nesta segunda, a companhia afirma que não detectou nenhuma redução significativa em mais de uma hora. Em sua defesa, a GPS diz que o foco de seus produtos é na purificação do ar, embora reconheça que os testes em superfície correspondem a metade dos testes ligados em sua página de “redução de patógenos”. 

Além dos problemas de eficácia, a Boeing citou um estudo da Universidade do Arizona que diz que os níveis de íons encontrados no ar durante a utilização dos produtos são muito superiores à quantidade sugerida. Outro ponto levantado pela empresa de aviões é a necessidade da padronização da avaliação da tecnologia para “permitir a comparação com outros métodos comprovados de desinfecção”. 

Ultimas Notícias

Professores da escola que aluno recebeu críticas por sugerir tema LGBT lamentam caso em carta: 'Jamais nutrimos preconceito'

Corpo docente da Escola Estadual Aníbal de Freitas, em Campinas (SP), divulgou carta...

Atendimento a moradores de rua cresce 50% após ampliação do serviço durante frio em Campinas

SOS Rua aborda, mensalmente, 600 pessoas para oferecer abrigo. Desde maio, quando rondas aumentaram em duas horas, demanda...

Shoppings de Campinas alteram horário de funcionamento após ampliação do toque de recolher

Segundo a prefeitura, serviços, comércios e atividades devem fechar às 19h. Medidas começam a valer a partir desta...

Campinas tem maio com mais mortes no trânsito desde 2018, aponta Infosiga

Relatório registra 15 ocorrências no mês na metrópole, sendo sete delas envolvendo motocicletas. Em 2020, foram quatro óbitos...

Justiça Federal determina retenção do passaporte de Carlos Wizard após retorno dele ao Brasil

A decisão foi da 1ª Vara Federal de Campinas, após a Polícia Federal fazer buscas na casa e...
- Advertisement -