segunda-feira, março 1, 2021

Estudo indica que vacina de mRNA deve ser atualizada para conter variantes

20 de janeiro, 8h42: Enquanto celebramos os 10.103 brasileiros que já receberam a primeira dose da CoronaVac e contestamos autoridades que, por já terem sido infectadas com Covid-19 se consideram liberadas de uma futura imunização, cientistas têm se debruçado para entender se as vacinas de que dispomos conseguem neutralizar também as novas variantes do vírus. Um estudo publicado nesta terça-feira por pesquisadores da Rockefeller University, em Nova York, do Instituto de Tecnologia da Califórnia e do Instituto Nacional de Saúde, o maior hospital americano dedicado exclusivamente a pesquisas clínicas, indica que as vacinas anti-Covid feitas com RNA mensageiro, como é o caso dos biofármacos da Pfizer e da Moderna, provavelmente terão de ser atualizadas periodicamente para se manterem eficazes contra as mutações do novo coronavírus.

A pesquisa analisou a variante encontrada na África do Sul, considerada com maior poder de transmissão do que o vírus mutado detectado no Reino Unido, por exemplo. Ainda não houve estudos específicos sobre a variante encontrada no Amazonas. No caso da variante sul-africana, os pesquisadores testaram o soro de vacinados com imunizantes de RNA mensageiro e detectaram uma “pequena mas significativa” queda da capacidade de neutralização do vírus.

No estudo, os cientistas analisaram as respostas de anticorpos e células B de memória, formadas a partir do encontro do corpo com a vacina, de 20 voluntários que já receberam ou a vacina da Pfizer ou a da Moderna. Oito semanas após terem tomado a segunda dose do imunizante, os pacientes apresentaram altos níveis de anticorpos IgM e IgG contra a Covid-19. Os anticorpos monoclonais induzidos pela vacina, que imitam os anticorpos que o corpo humano produz de forma natural, também foram capazes de neutralizar de forma potente o SARS-CoV-2. O problema foi o indicativo de que esses anticorpos tiveram eficácia reduzida ou mesmo abolida quando em contato com certas mutações. Por causa desta ressalva eles estimam que antígenos à base de RNA mensageiros deverão ser atualizados frequentemente para garantirem proteção contra novas cepas do vírus.

“A vacina ensina o corpo, o que significa que, toda vez que entrarmos em contato com o vírus, o sistema imunológico é ativado e sabe se defender. Na mutação, o vírus modifica a sua estrutura, e a informação que o corpo tinha sobre como combater o inimigo não vale mais. É como se fosse um outro agente invasor para o qual o sistema imune pode não ter proteção”, explicou ao blog a doutora em Epidemiologia e professora da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) Ethel Maciel.

Segundo ela, é nessa hora que entram em campo as unidades de saúde conhecidas como “sentinelas”. Tal qual guardas responsáveis por vigiar um ambiente, as sentinelas fazem a identificação molecular das novas cepas que surgem para monitorar que tipo de mutação do novo coronavírus está circulando no país. “Isso é muito bem montado para a gripe no Brasil, porque o H1N1 faz muita mutação também. Provavelmente devemos aproveitar a mesma estrutura para o coronavírus”, disse.

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Três suspeitos são detidos durante desmanche de carro roubado em Campinas

As prisões aconteceram no domingo (28) no bairro Jardim Rossin, em Campinas. Três homens são presos...

Coronavírus: prefeituras da região de Campinas confirmam novos casos nesta segunda, 1º de março

Veja números de pessoas infectadas e de óbitos pela doença em cada cidade. Imagem do novo coronavírus G1 As prefeituras...

Conheça a tiriba-grande, ave inofensiva que é 'manchada de sangue'

Espécie da mesma família das araras, papagaios e periquitos encontra-se ameaçada de extinção. A tiriba-grande é a mais...

Últimas notícias de coronavírus na região de Campinas em 1 de março de 2021

Veja a atualização em cada município da área de cobertura do G1. Confira as últimas notícias sobre o...

Shoppings reduzem horários de funcionamento após Campinas regredir para fase laranja

Estabelecimentos podem funcionar por até oito horas diárias, a partir desta segunda. Plano SP determina ainda capacidade de...
- Advertisement -