terça-feira, março 2, 2021

Nova diretriz da OMS recomenda o dobro de tempo em atividades físicas

Em 1948, na pequena cidade de Framingham, no estado americano de Massachusetts, começou a andar um dos mais fascinantes trabalhos da história da medicina. Patrocinado pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, o NIH, ele já vasculhou desde então o impacto dos hábitos cotidianos no sistema cardiovascular de 5 000 pessoas ao longo de três gerações. Os achados têm servido de base para o estabelecimento de condutas médicas adotadas em boa parte do mundo. Do levantamento brotou a constatação da relevância da atividade física na prevenção e tratamento de doenças — algo que hoje soa evidente, mas antes inexistia. A novidade: ancorada no princípio revelado pelo amplo estudo, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou um documento que detalha a quantidade adequada de exercícios para uma vida saudável.

Há mudanças ruidosas. Recomenda-se o dobro do tempo mínimo indicado até agora. Adultos de 18 a 64 anos devem praticar de 150 minutos a 300 minutos por semana de treino moderado (como caminhada ou jardinagem, por exemplo), ou de 75 a 150 minutos se a intensidade for vigorosa (corrida e subir escadas). A diretriz também esmiúça conselhos por grupos específicos, como crianças e gestantes (veja no quadro abaixo). “São as recomendações mais interessantes e decisivas já feitas nessa área nos últimos dez anos”, diz o médico do esporte Eduardo Rauen, professor de nutrologia da pós-graduação do Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

arte exercícios

A revolução é resultado de extraordinários avanços científicos, afeitos a entender melhor o metabolismo e como ele reage à ginástica. A prática regular age em doenças pontuais, e não apenas no bem-estar geral. Reduz pela metade o risco de infarto, ajuda no controle das taxas de glicose entre os diabéticos, previne depressão e vários tipos de câncer. Mas há ainda um nó: o sedentarismo extremo. As crianças e os adultos nunca permaneceram tanto tempo sentados como hoje. Pesquisa publicada na British Journal of Sports Medicine mostrou que ficar estanque horas a fio numa cadeira dificulta a absorção de glicose pelas células do organismo, reduz o consumo de oxigênio celular e atrapalha o desempenho cardiovascular. Uma das possíveis explicações para essa relação é a ausência prolongada de contrações dos músculos das pernas. Depois de ficar meia hora sentado, o corpo liga o “modo repouso” e a taxa metabólica cai. Ficar de pé evitaria essa queda, pois o músculo permanece rígido, o que consome mais energia. Estima-se que os moradores das grandes capitais passem, em média, sete horas colados na cadeira em decorrência do trabalho, estudo e televisão. Aumentar o tempo da atividade física poderá ajudar a reduzir os danos — daí a extraordinária relevância das novas indicações da OMS.

Publicado em VEJA de 23 de dezembro de 2020, edição nº 2718

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Bolsonaro veta prazo de cinco dias para Anvisa aprovar vacinas

O presidente Jair Bolsonaro vetou nesta segunda-feira, 1º, para adequação à constitucionalidade e ao interesse público, o dispositivo que...

JBS abre 160 vagas para recém-formados em 38 cidades; veja lista

Relação de municípios inclui Amparo (SP), Jaguariúna (SP), Nova Veneza (SC), Brasília (DF) e Itapiringa (SC). Oportunidades são...

Hospital Sobrapar registra maior fila de espera por cirurgias de crânio e face em quatro décadas

Unidade sofre sobrecarga por conta da pandemia, já que outros centros estão dedicados ao enfrentamento da Covid-19; além...

Reclamações para Sanasa crescem 93,4% e valor da conta é principal motivo, diz levantamento

Em um ano, total de queixas recebidas por empresa responsável pelos serviços de água e saneamento em Campinas...

Participação e informação para evitar o colapso

A atual situação do Brasil na pandemia de Covid-19 em termos de contágio, mortes e saturação dos sistemas de saúde (público e privado) já...
- Advertisement -