sexta-feira, fevereiro 26, 2021

Os novos tratamentos da insuficiência cardíaca

A insuficiência cardíaca (IC) é uma síndrome clínica complexa, na qual o coração é incapaz de bombear sangue para atender às necessidades dos tecidos. Esta síndrome pode ser causada por alterações estruturais ou funcionais do coração, sendo que a maioria dos pacientes apresenta a queixa de cansaço e edema (inchaço). Esta doença repercute intensamente em perda da qualidade de vida, necessidade de internações e morte.

A função cardíaca é mensurada quantitativamente por meio de um critério chamado fração de ejeção e a IC pode ocorrer com fração de ejeção preservada ou reduzida. No tratamento da IC com fração de ejeção reduzida existem, há décadas, medicamentos que trazem melhora da qualidade de vida e reduzem internações e morte. Os primeiros medicamentos com estes benefícios foram os inibidores da enzima conversora da angiotensina, bloqueadores dos receptores da angiotensina II e betabloqueadores, que reduziram em 19 a 31% eventos e morte.

A despeito destes benefícios do tratamento medicamentoso atual, a IC mantém-se como uma doença grave, afetando no mundo mais de 23 milhões de pessoas. A sobrevida, após 5 anos de diagnóstico, pode ser de apenas 35%, podendo chegar a 17,4%, em pacientes com idade maior a 85 anos. Conforme as características e gravidade da apresentação do paciente, estima-se que até 80% dos homens e 70% das mulheres morram em 8 anos. Dados da população americana publicados em 2020 indicam mortalidade 22%, após um ano, e de 42%, após 5 anos de uma hospitalização por IC. No Brasil, é uma das principais causas de morte e é a primeira responsável por internação em pacientes com mais de 65 anos.

Nos últimos 5 anos, somou-se a este tratamento acima descrito, considerado padrão, a associação dos inibidores dos receptores da angiotensina a uma nova classe de medicamento, os inibidores da neprilisina, o que mostrou uma redução de 16% em mortalidade por qualquer causa, 20% na redução da morte cardiovascular e de 21% na hospitalização por IC.

Ainda na última década, durante o desenvolvimento de novos medicamentos antidiabéticos, os estudos realizados para avaliar a segurança em pacientes com doença cardíaca mostraram ser seguros em cardiopatas, e além, trazendo proteção cardiovascular adicional aos pacientes. Nos anos de 2019 e 2020, foram apresentados estudos com antidiabéticos da classe dos inibidores da SGT2 (dapaglifozina e empaglifozina) que reduziram em 26% o risco de morte cardiovascular e piora da IC, tanto em pacientes diabéticos como não diabéticos.

Esta é uma nova revolução no tratamento medicamentoso da IC e soma-se aos esforços para melhorar a qualidade de vida e sobrevida dos pacientes cardiopatas.

<span class="hidden">–</span>./.
Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Temporal alaga vias, inunda imóveis e derruba árvores em Campinas

Maior índice de chuvas foi registrado na Avenida Orosimbo Maia, com 46 milímetros...

Vinhedo abre processo seletivo para 12 vagas temporárias para médicos; veja áreas de atuação

Oportunidades são para profissionais das áreas de clínico geral, pediatria e medicina de família. Vinhedo abriu processo seletivo...

'Se tiver vacina para comprar, vamos comprar', diz Dário ao sinalizar Campinas em consórcio

Prefeito diz que aquisição pode ser feita com repasses de ministério ou remanejamento interno. Metrópole inicia na segunda-feira...

Mogi Guaçu restringe circulação e fecha farmácias e mercados; cidade é 1ª da região a adotar medidas mais restritivas

Regras passam a valer na madrugada de terça-feira (2) e foram adotadas após aumento em casos, mortes e...

Hortolândia recebe 2ª edição de festival de grafite neste final de semana

Intervenção artística ocorre sábado e domingo, das 9h às 18h, na Unidade Cultural 'Arlindo Zadi', bairro Jardim Amanda....
- Advertisement -