quinta-feira, fevereiro 25, 2021

Paraguai já exporta cânhamo alimentício para os Estados Unidos

Variedade de cannabis com baixos teores de THC, o cânhamo é uma cultura versátil, com aplicações em diversas indústrias, como farmacêutica, têxtil, construção civil, energia e alimentícia, entre outras. Desde que teve seu cultivo legalizado nos EUA em 2018, por meio da Farm Bill, a planta tem atraído a atenção do agronegócio ao redor do mundo, em um mercado que deve movimentar algo próximo dos 27 bilhões de dólares em 2025, segundo as projeções mais recentes. Além dos EUA, países do leste europeu e a China dominam a produção global da commoditie, mas nossos vizinhos, principalmente Colômbia, Uruguai e Paraguai, também se movimentam para conquistar seus próprios clientes mundo afora. Nesta semana, os paraguaios da empresa Healthy Grains anunciaram a venda de um carregamento com grãos inteiros, grãos dehulled (descascado), farinhas e azeites de cânhamo para um comprador na Califórnia (o nome do cliente não foi revelado).

No Brasil, o PL 399 (medicamentos com cannabis), que tramita na Câmara dos Deputados, prevê a autorização para a exploração industrial dessa variedade da erva, com cultivo liberado em território nacional. As movimentações mais recentes acerca do projeto, no entanto, não autorizam qualquer otimismo em relação à sua aprovação. Até mesmo a bancada ruralista, antes entusiasta da ideia por conta justamente de seu potencial econômico, parece ter recuado diante da reação de sua ala mais conservadora. Para Lorenzo Rolim, presidente da Associação Latino Americana de Cânhamo Industrial (LAIHA, na sigla em inglês), o Brasil vai, mais uma vez, ficar para trás nesse mercado e terá dificuldade em recuperar o terreno conquistado por quem já enxergou o seu valor. “O Paraguai deu um passo extremamente importante para a consolidação da indústria do cânhamo na região. O país conseguiu implementar, rapidamente, uma regulamentação que permitiu o desenvolvimento de empresas eficientes, como a Healthy Grains. Com isso, eles foram capazes de, já no primeiro ano, operar no mercado internacional”, afirmou ao blog.

Rolim lamenta a falta de interlocução com os legisladores brasileiros, sem a qual não consegue sequer apresentar os argumentos que poderiam fazê-los mudar de ideia a respeito do cânhamo. “Do lado de lá da fronteira, tão perto da nossa realidade, já estão operando e lucrando com essa cultura, enquanto no Brasil ainda se discute se o cânhamo é uma droga. Nós da LAIHA esperamos que a classe política brasileira se concentre nos aspectos técnicos e econômicos para tomar uma decisão racional sobre o tema, e não decidir com base em emoções e ‘achismos’. Volto a convidar os parlamentares contrários ao PL 399 para uma discussão franca e aberta, amparada em dados reais que estão sendo verificados em países próximos a nós, como o Paraguai, para auxiliar em seus processos de tomada de decisão”, conclui.

Ultimas Notícias

Campinas tem 84,7% de UTIs Covid ocupadas e SUS municipal com vagas só para grávidas

Balanço aponta que 239 das 282 estruturas das redes pública e privada estão...

Covid-19: Campinas adia retorno às aulas presenciais na rede municipal para abril

Retomada estava marcada para segunda-feira (1º), mas avanço da pandemia e pressão no sistema de saúde mudaram os...

Arara-canindé vítima do tráfico é vista com filhote a 50 km de onde foi salva por projeto em 2018

Animal recuperado por CRAS Pró-Arara partiu de Araras para Ipeúna, no interior de São Paulo. Registro das araras-canindé...

Obra interdita retorno do Km 107 da Rodovia Anhanguera em Sumaré

Bloqueio para reparo do pavimento será das 22h desta quinta-feira (25) às 5h desta sexta-feira (26). Concessionária orienta...

Homem é preso após câmera registrar agressões contra cachorro em Campinas; vídeo

Suspeito foi localizado nesta quinta-feira (25) e animal ficará sob cuidados de ONG. Rapaz negou crime inicialmente, mas...
- Advertisement -