quinta-feira, março 4, 2021

Pfizer: pedido de uso emergencial depende de definições do governo

A Pfizer afirmou nesta quinta-feira, 17, que a Anvisa exige no pedido para uso emergencial da vacina contra a Covid-19 no Brasil detalhes que dependem de uma definição do governo, como quantitativo de doses e cronograma que será utilizado no país.

Em comunicado, a empresa ressaltou que esses pontos que só poderão ser definidos no contrato definitivo de compra, que ainda não foi assinado pelo Ministério da Saúde. Até o momento, a pasta assinou apenas um memorando de intenção de compra de 70 milhões de doses da Pfizer e afirmou, nesta quinta-feira, que só poderá definir um cronograma de vacinação no país.

O posicionamento da empresa rebate um comunicado divulgado pela pasta nesta quinta-feira, 17, afirmando que a data de início da vacinação contra a Covid-19 no país só poderá ser definida após aprovação de um imunizante pela Anvisa e que, até o momento, nenhuma empresa solicitou essa aprovação.

Além dos pontos que dependem da definição do governo, a Pfizer justifica que ainda não entrou com a submissão do pedido de uso emergencial da vacina porque a Anvisa exige análises específicas para o Brasil, “o que demanda tempo e análises estatísticas específicas”. A empresa cita como exemplo a solicitação de uma análise específica dos dados levantados exclusivamente na população brasileira.

O estudo fase 3 conduzido no Brasil conta com a participação de 3.100 voluntários. Entretanto, os dados de eficácia divulgados pela Pfizer divulgados analisam dados do estudo em sua totalidade. “Outras agências regulatórias que
possuem o processo de uso emergencial analisam os dados dos estudos em sua totalidade, sem pedir um recorte para avaliação de populações específicas.”, afirma a Pfizer.

Em relação à negociação em curso com o governo para o fornecimento de 70 milhões de doses da vacina BNT16b2, desenvolvida em parceria com a empresa alemã BioNTech, a Pfizer ressalta que “as cláusulas que estão sendo negociadas estão em linha com os acordos que fechamos em outros países do mundo – inclusive na América Latina”.

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Toxina de taturana é usada em pesquisas na área médica e farmacológica

Espécie 'Megalopyge albicollis', também chamada de lagarta-de-fogo é encontrada em vários jardins; contato com humanos pode causar...

Polícia Federal apreende cerca de 400 mil cigarros contrabandeados no Terminal Central de Campinas

Uma pessoa que trabalhava no local está sendo ouvida pela Polícia Federal. Polícia Federal apreende 400 mil cigarros contrabandeados em Campinas A...

Covid-19: Campinas define abertura de 30 leitos no Hospital Metropolitano até segunda-feira

Administração diz que pacote inclui 10 leitos de UTI e 20 de enfermaria na unidade particular que está sob intervenção. Governo ainda...

Pai de menina de 13 anos morta por síndrome pós-Covid alerta que filha não teve sintomas de coronavírus: 'Se importem'

Paulo César Santos, de 50 anos, afirma que família contraiu Covid-19 entre dezembro e janeiro, mas que a...
- Advertisement -