segunda-feira, março 1, 2021

Quem teve Covid-19 precisa ou não tomar a vacina?

O senador Flávio Bolsonaro disse nesta segunda-feira que como já teve Covid-19 e sua “taxa de imunidade é alta”, foi recomendado a não tomar a vacina contra a doença neste momento. “Vou seguir a ciência.”, finalizou, em publicação no Twitter.

Entretanto, neste caso, seguir a ciência é fazer exatamente o oposto do que disse Flávio Bolsonaro. Especialistas ouvidos por VEJA afirmam que todos devem tomar a vacina, até mesmo pessoas que já tiveram a doença. De acordo com o infectologista e especialista em saúde pública, Gerson Salvador, os estudos clínicos das vacinas incluíram tanto pessoas que já tiveram a doença quanto aquelas que não havia sido infectadas. “Levando isso em consideração, as vacinas foram eficazes para diminuir casos e para diminuir a necessidade de atendimento médico”, explica Salvador. “Então a recomendação é que quem já teve Covid-19 anteriormente seja vacinado. Principalmente porque a gente já sabe que existe reinfecção”, conclui o especialista.

Continua após a publicidade

Junto com a declaração, o senador compartilhou a imagem de uma matéria da CNN Brasil sobre um estudo que aponta que anticorpos de pessoas recuperadas da Covid-19 podem ficar mais fortes até 6 meses após a infecção, possivelmente para justificar que sua “taxa de imunidade é alta”.

O infectologista e epidemiologista Bruno Scarpellini, da PUC-RJ, explica que a formação de anticorpos neutralizantes, que impedem a entrada do vírus na célula e consequentemente sua replicação no organismo, induzida pela vacina é muito maior do que a conferida pela doença. “Todas as vacinas que publicaram dados interinos de fase 3 demonstraram que a formação de anticorpos neutralizantes pós vacina é de duas a quatro vezes maior do que a formação de anticorpos pela doença”, afirma.

O especialista ressalta que a única resposta que ainda está pendente sobre esse assunto é o tempo de duração destes anticorpos gerados pela vacina. “Não sabemos por falta de tempo, porque os voluntários ainda estão em acompanhamento e a vacinação é recente”, ressalta Scarpellini.

Além disso, ao dizer que não tomará a vacina “neste momento”, Flávio Bolsonaro dá a entender que o ato de nãop se vacinar agora seria por escolha. Entretanto, o senador realmente não pode tomar a vacina neste momento, mas não porque sua “taxa de imunidade é alta” e sim porque ele não está incluído no grupo prioritário para receber a vacina.

Os grupos prioritários definidos pelo governo para esta primeira etapa da vacinação incluem pessoas com 60 anos ou mais institucionalizadas, pessoas com deficiência institucionalizadas, população indígena vivendo em terras indígenas e 34% dos trabalhadores de saúde.

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Coronavírus: prefeituras da região de Campinas confirmam novos casos nesta segunda, 1º de março

Veja números de pessoas infectadas e de óbitos pela doença em cada cidade....

Conheça a tiriba-grande, ave inofensiva que é 'manchada de sangue'

Espécie da mesma família das araras, papagaios e periquitos encontra-se ameaçada de extinção. A tiriba-grande é a mais...

Últimas notícias de coronavírus na região de Campinas em 1 de março de 2021

Veja a atualização em cada município da área de cobertura do G1. Confira as últimas notícias sobre o...

Shoppings reduzem horários de funcionamento após Campinas regredir para fase laranja

Estabelecimentos podem funcionar por até oito horas diárias, a partir desta segunda. Plano SP determina ainda capacidade de...

Covid-19: Campinas começa a vacinar 13 mil idosos com mais de 80 anos

Agendamento para imunização a partir desta segunda (1) teve início na manhã de sábado, pela internet, e moradores...
- Advertisement -