sexta-feira, fevereiro 26, 2021

Tomar a segunda dose da vacina é garantia de estar 100% protegido?

18 de fevereiro, 11h53: Completaram-se três meses desde que tomei, no Rio de Janeiro, a vacina experimental, de dose única, desenvolvida pelo laboratório Janssen-Cilag, braço farmacêutico da Johnson & Johnson. Neste período, o mundo recebeu com euforia a aprovação de imunizantes de RNA mensageiro, como os da Pfizer e da Moderna, de técnicas clássicas de vírus inativado, como a CoronaVac, e de vetor não replicante, como a Oxford/AstraZeneca e, ao que tudo indica, em breve também a da Janssen. Existe não só em voluntários como eu um misto de otimismo com antígenos sendo enfim distribuídos e de pavor por constatarmos que as taxas de infecção continuam nas alturas, com previsões de cerca de 100.000 brasileiros mortos nos próximos três meses.

Dito isso, um alerta importante deve ser feito àqueles que conseguiram receber as parcas doses de vacina disponíveis no Brasil: tomar as duas ampolas da CoronaVac ou do antígeno de Oxford não significa que você está 100% protegido. Quando o corpo humano recebe qualquer vacina, é necessária uma espécie de tempo de maturação para que o organismo crie proteção contra o agente causador da doença. No caso da Covid, essa proteção é esperada em duas semanas após a segunda dose, explica a infectologista e vice-presidente do Sabin Institute Denise Garrett.

Depois da segunda aplicação, também não é verdade que agora está tudo resolvido. As vacinas de que dispomos são bem eficazes contra versões de moderadas a graves da Covid-19 e contra internações hospitalares e mortes. Apenas quando atingirmos a imunidade coletiva – na casa dos 70% a 80% de toda a população vacinada – é que poderemos pensar em baixar a guarda e nos sentirmos, aí sim, protegidos.

Nesta quarta-feira o ministro da Saúde Eduardo Pazuello anunciou que haverá quase 231 milhões de doses de vacinas anti-Covid no Brasil no primeiro semestre. Sem entrar no mérito de se o planejamento será mesmo cumprido, já que na lista existem antígenos ainda em negociação de compra, como a russa Sputnik V e a indiana Covaxin, o importante é a vacinação ser urgentemente acelerada, e não dramaticamente interrompida por falta de doses, como tem ocorrido em várias capitais.

No discreto ritmo de imunização em que estamos, não há impacto na redução da transmissão do vírus e nem chances de alcançamos logo a imunidade de rebanho. Com a descoberta de variantes mais transmissíveis e a confirmação de reinfecções de pacientes com as novas cepas, a aceleração da vacinação é cada vez mais urgente.

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Valinhos e Vinhedo suspendem aplicação de 2ª dose da CoronaVac

Imunização de profissionais da saúde em Vinhedo estava marcada para esta sexta-feira; em...

Covid-19: MP questiona Campinas sobre medidas de apoio a alunos nas escolas municipais

Promotoria de Justiça da Infância e Juventude pediu esclarecimentos sobre protocolos de segurança, adesão às aulas remotas e...

Acordo milionário no TRT-15 beneficia 690 trabalhadores do aeroporto de Viracopos

Mediação terminou com o acerto de pagamento de R$ 20,3 milhões em processo por pagamento de adicional de...

Campinas tem alta em estupros e roubos de carga em janeiro, mas queda em homicídios e furtos

Balanço com estatísticas criminais foi divulgado nesta quinta-feira (25) pela Secretaria de Segurança Pública de São Paulo. 2ª...

Pernambuco entra no grupo dos estados que mais aplicaram a 2ª dose

O Brasil ultrapassou a marca de 6,2 milhões de pessoas vacinadas contra a Covid-19, segundo levantamento realizado por VEJA até às 18h desta quinta-feira,...
- Advertisement -