terça-feira, abril 13, 2021

Um problema a menos para a vacina da Pfizer, já recusada pelo governo

22 de fevereiro, 10h36: O governo brasileiro abriu mão, ainda no ano passado, de dar seguimento à oferta de 70 milhões de doses da vacina anti-Covid produzida pela farmacêutica Pfizer em parceria com o laboratório alemão BioNTech. Os motivos levavam em conta supostas exigências da empresa de se eximir de possíveis danos colaterais provocados pelo imunizante e a dificuldade de um país continental como o Brasil e com forte desigualdade social disponibilizar ultracongeladores para armazenar o antígeno em temperaturas entre 60 e 80 graus abaixo de zero. Agora um novo golpe contra nós, brasileiros: a Pfizer anunciou que sua vacina se mantém estável e perfeita para uso quando resfriada por duas semanas em refrigeradores farmacêuticos, com temperaturas entre 15 e 25 graus negativos e muito mais fáceis de serem disponibilizados.

As novas diretrizes de armazenamento foram apresentadas pela empresa à FDA, a agência regulatória de alimentos e medicamentos dos Estados Unidos. A ideia é que este novo cenário permita à Pfizer apresentar aos potenciais compradores uma alternativa à falta de freezers de temperatura ultrabaixa. “Se aprovada, esta nova opção de armazenamento ofereceria às farmácias e centros de vacinação maior flexibilidade na forma como administram o fornecimento da vacina”, disse o CEO da Pfizer, Albert Bourla, ao dar entrada ao novo protocolo da vacina Pfizer.

Segundo a empresa, foram estudados lotes do imunizante fabricado nos últimos nove meses, com ampolas retiradas dos primeiros testes clínicos e também doses da escala comercial atualmente em produção. De acordo com a Pfizer, em temperaturas que variam de 60 a 80 graus negativos, sua vacina pode permanecer armazenada por até seis meses. Entre 15 e 25 graus abaixo de zero, por duas semanas, e antes de misturada com o diluente para a aplicação em pacientes, também pode ser refrigerada por até cinco dias na temperatura padrão de refrigeradores domésticos, entre 2⁰C e 8⁰C.

A temperatura de geladeira comum é um grande facilitador em países como o Brasil, cujos gargalos históricos no financiamento da ciência e da pesquisa resultam, em plena pandemia, na falta de congeladores específicos para a estocagem de vacinas feitas à base de RNA mensageiro, como as da Pfizer. O resfriamento comum permite que outros imunizantes, como a CoronaVac, a Covishield (fabricada pela parceria Oxford/AstraZeneca) e a Janssen, possam ser mais facilmente transportados e aplicados em brasileiros. Das três, apenas a vacina da Janssen, da qual sou voluntária nos ensaios clínicos, ainda não apresentou pedido para aplicação emergencial junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Ela aguarda sinal verde da FDA, cujo corpo técnico vai se reunir no próximo dia 26, para apresentar também no Brasil requisição para uso em território nacional.

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Avião da Azul faz pouso de emergência no Galeão após piloto relatar fumaça a bordo

Dois passageiros que se sentiram mal durante a situação precisaram ser atendidos pelo...

DIG prende suspeito e apreende fios roubados que seriam trocados por drogas em Indaiatuba

Policiais civis também localizaram porções de entorpecentes, simulacro de revólver, faca e cerca de R$ 2,5 mil em...

Em 100 dias, rede municipal atende o equivalente a 11% da população de Campinas com suspeita de Covid-19

Percentual representa cerca de 133 mil pessoas que procuraram consulta médica em UBSs, UPAs ou nos hospitais mantidos...

Campinas abre agendamento da vacinação contra Covid-19 para maiores de 67 anos

Cadastro deve ser feito no site, onde será informado horário e local de aplicação. Cidade conta com cinco...

Banco de leite da Maternidade em Campinas atinge nível mais crítico da pandemia; veja como doar

Hospital tem estoque de 139 litros, volume 30,5% inferior aos 200 indicados como mínimo ideal, e reivindica doações....
- Advertisement -