segunda-feira, março 8, 2021

Voltando à clínica em busca de anticorpos criados pela vacina

15 de dezembro, 7h39: Aeroportos são parque de diversões para a Covid-19. Parecem aquelas ruas de comércio popular às vésperas do Natal: lotados, com pessoas gritando, arrastando bagagens, crianças perdidas dos pais. Uma parte considerável dessas pessoas com máscaras no queixo. O terminal de Brasília está particularmente cheio na manhã desta terça-feira, quando estou prestes a embarcar para mais uma rodada de testes como voluntária em busca de uma vacina contra o novo coronavírus.

8h19: No portão de embarque, fujo de uma senhora que certamente acha que máscaras são uma medida exagerada (e sabotadora da maquiagem que ela usa). Ela tem uma versão tupiniquim de um face shield. Na verdade, um misto de apoiador de queixo e porta-saliva feito de acetato que permite que retoque o batom e finja estar protegida contra o vírus. Incrédula, vou para o outro lado do saguão. Ela vai embarcar no mesmo voo que eu.

9h39: A cidadã não só embarca, como ocupa a mesma fileira em que estou. Não mais do que 50 centímetros nos distanciam. Não há palavras que expliquem o que senti. Minha presença naquele voo poderia ser resumida como “A Arte de Fazer Inimigos”. Faço uma notificação formal no 0800 da companhia aérea pelo descaso. Reclamo de terem a deixado embarcar e contesto a utilidade de uma máscara que nem máscara é: o objeto se resume a um acetato sobreposto na boca, que deixa o nariz completamente descoberto. Envio a foto da anti-máscara para a atendente do meu protesto ter a exata noção do que estou falando. Se eu ainda não tiver criado anticorpos contra a Covid, o novo coronavírus teve sua grande chance hoje.

13h19: Chego à clínica, no Rio de Janeiro, com um frio na barriga. Sou a oitava voluntária do dia a me apresentar para a nova bateria de exames, desta vez a coleta de sangue para ver se desenvolvi anticorpos contra a Covid após ter recebido a vacina experimental (ou placebo) no dia 17 de novembro. A médica que havia me sugerido beber cerveja semanas antes para selar minha participação como auxiliar no estudo clínico me cumprimenta. Nos últimos dias, cerca de 20 voluntários já passaram por esta nova etapa.

13h41: Me mostram o resultado do exame sorológico que fiz no dia em que recebi a vacina: não reagente para anticorpos da Covid. Como ferrenha defensora do isolamento social, era mais do que esperado. Que os testes de hoje sejam diferentes. Que meu corpo tenha criado proteção contra o virus que já matou mais de 181.000 brasileiros

13h57: Sou levada para a coleta de sangue. Um mini engradado com espaço para 40 ampolas é colocado na minha frente. Três tubinhos de sangue de 5 ml cada, identificados com tampa amarela e um QR Code no lugar do meu nome, são retirados do meu braço esquerdo. Trinta e seis espaços ficaram vazios. Um último frasquinho, de 2,5 ml, tampa vermelha e QR Code e uma sequência numérica, é preenchido para outro fim: a extração do meu RNA. Concordei que meus dados genéticos sejam utilizados no futuro em benefício da ciência.

14h01: Saio com um sorriso (debaixo da máscara) no rosto e volto ao aeroporto. A empresa aérea se compromete a me dar uma resposta sobre minha reclamação em cinco dias úteis. Imagino o que o novo coronavírus não pode fazer neste espaço de tempo. Me comprometo com os pesquisadores do estudo científico em busca da vacina a voltar à clínica para novos testes de anticorpos em 42 dias.

20h15: Embarco no voo de volta a Brasília. Até chegar ao meu assento, observo um a um se os passageiros estão usando máscaras apropriadamente. Ao contrário do que ocorreu na manhã, estão cumprindo as regras.

 

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Indaiatuba fecha creche por 14 dias após três monitoras testarem positivo para Covid-19

Prefeitura informou que medida tem como objetivo evitar um surto na unidade, já...

DIG prende 4 homens por violência doméstica e dívida com pensão alimentícia em Americana

Prisões fazem parte de Operação Resguardo, deflagrada nesta segunda (8), Dia Internacional da Mulher. Os quatro suspeitos foram...

Campinas tem 300 leitos ocupados e registra maior nº de internados em UTIs Covid em seis meses

Cidade atingiu a marca pela última vez em 17 de agosto de 2020, quando 301 pessoas estavam em...

Covid-19: Campinas registra mais 17 mortes e vai a 1.944; casos positivos chegam em 72 mil

Vítimas são nove homens e oito mulheres, segundo dados divulgados nesta segunda (8) pela prefeitura. Boletim indica mais...

Canário ‘ocupa’ ninho de japu exposto em museu de educação ambiental de Arceburgo (MG)

Fotos e vídeos mostraram toda a ação da ave que criou filhotes no local; espaço estava fechado para...
- Advertisement -